S – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

Sabina -Artur Azevedo

Sales -Machado de Assis

Sancta Virgo Virginum: Prece -Auta de Souza

Sancta Virgo Virginum: Prece -Auta de Souza

Sangue de africano -Antônio Frederico de Castro Alves

São Cristóvão -José Maria Eça de Queirós

Sarças de Fogo -Olavo Bilac

Sarças de Fogo -Olavo Bilac

Satíricos portugueses -João Ribeiro

Saudade -Auta de Souza

Saudades -Casimiro de Abreu

Schopenhauer -Thomas Mann

Se às vezes digo que as flores sorriem -Alberto Caeiro

Se depois de eu morrer -Alberto Caeiro

Se eu morrer novo -Alberto Caeiro

Se eu podess’ora meu coraçom -Dom Dinis

Se eu pudesse trincar a terra toda -Alberto Caeiro

Se gradoedes, amigo -Afonso Eanes de Coton

Se hoj’em vós há nenhum mal, senhor -Dom Dinis

Se o homem fosse, como deveria ser -Alberto Caeiro

Se quiserem que eu tenha um misticismo -Alberto Caeiro

Se veess’o meu amigo -Bernardo de Bonaval

Segredos -Casimiro de Abreu

Segundos Cantos e Sextilhas de Frei Antão -Antônio Gonçalves Dias

Seja o que for que esteja no centro do Mundo -Alberto Caeiro

Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos

Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos

Seleção de Obras Poéticas II -Gregório de Matos

Sempre que penso uma coisa, traio-a -Alberto Caeiro

Sempre sonhos!… -Casimiro de Abreu

Sempre vos eu doutra rem mais amei -Afonso Sanches

Sempr’eu, mia senhor, desejei -Dom Dinis

Senhor fremosa e de mui loução -Dom Dinis

Senhor fremosa, nom poss’eu osmar -Dom Dinis

Senhor fremosa, pois me vej’aquí -Afonso Eanes de Coton

Senhor fremosa, pois no coraçom -Dom Dinis

Senhor fremosa, por qual vos Deus fez -Dom Dinis

Senhor, cuitad’é o meu coraçom -Dom Dinis

Senhor, des quando vos vi -Dom Dinis

Senhor, dizen-vos por meu mal -Dom Dinis

Senhor, en tan grave día -Dom Dinis

Senhor, hoj’houvesse eu vagar -Dom Dinis

Senhor, nom vos pês se me guisar Deus -Dom Dinis

Senhor, pois me nom queredes -Dom Dinis

Senhor, pois que m’agora Deus guisou -Dom Dinis

Senhor, que de grad’hoj’eu querría -Dom Dinis

Senhor, que mal vos nembrades -Dom Dinis

Senhora em cordel -Isabel Lima

Senhora -José de Alencar

Senhora -José de Alencar

Sentimental demais -Salomão Rovedo

Sentimental -Salomão Rovedo

Serenatas e saraus -Alexandre José de Melo Morais Filho

Sermão da Dominga XIX depois do Pentecoste (1639) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Glória de Maria, Mãe de Deus -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Dominga do Advento (1650) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Dominga do Advento (1650) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Dominga do Advento (1655) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Oitava de Páscoa -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma (1644) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma (1651) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Quinta Dominga da Quaresma -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Quinta Dominga da Quaresma -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Segunda Dominga da Quaresma (1651) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Sexagésima -Pe. Antônio Vieira

Sermão das Cadeias de S. Pedro em Roma pregado na Igreja de S. Pedro. -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Dia de Ramos (1656) -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Nossa Senhora do Ó (1640) -Pe. Antônio Vieira

Sermão de S. Roque -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Catarina (1663) -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Catarina Virgem e Mártir -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Catarina Virgem e Mártir -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Teresa e do Santíssimo Sacramento -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Teresa -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santo Antônio -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santo Antônio -Pe. Antônio Vieira

Sermão de São Pedro -Pe. Antônio Vieira

Sermão de São Pedro -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Todos os Santos -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Bom Ladrão (1655) -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Espírito Santo -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Mandato (1643) -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Quarto Sábado da Quaresma (1640) -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Segundo Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão dos Bons Anos -Pe. Antônio Vieira

Sermão dos Bons Anos -Pe. Antônio Vieira

Sermão Histórico e Panegírico nos Anos da Rainha D. Maria Francisca de Sabóia -Pe. Antônio Vieira

Sermão Histórico Panegírico nos Anos da Rainha D. Maria Francisca de Sabóia -Pe. Antônio Vieira

Sermão I – Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão II – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão II – Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão III – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão III – Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão IX – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão nas exéquias de D. Maria de Ataíde -Pe. Antônio Vieira

Sermão Nossa Senhora do Rosário com o Santíssimo Sacramento -Pe. Antônio Vieira

Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as da Holanda -Pe. Antônio Vieira

Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal Contra as de Holanda -Pe. Antônio Vieira

Sermão Segundo do Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão VI – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão VIII – Com o Santíssimo Sacramento Exposto Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão X – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão XI Com o Santíssimo Sacramento Exposto -Pe. Antônio Vieira

Sermão XII (1639) -Pe. Antônio Vieira

Sermão XIII -Pe. Antônio Vieira

Sermão XIV (1633) -Pe. Antônio Vieira

Serões da província -Júlio Dinis

Sete de setembro -Casimiro de Abreu

Silva: quadros e livros um artista caipira -Romildo Sant’Anna

Silvestre -Machado de Assis

Sim, talvez tenha razão -Alberto Caeiro

Sim: existo dentro do meu corpo -Alberto Caeiro

Símbolos -Emílio de Menezes

Simples -Auta de Souza

Sinais de vida no planeta Minas -Fernando Gabeira

Singular Ocorrência -Machado de Assis

Singularidades de uma Rapariga Loura -José Maria Eça de Queirós

Singularidades de uma Rapariga Loura -José Maria Eça de Queirós

Só a natureza é divina -Alberto Caeiro

-António Nobre

-Machado de Assis

Soledade -Auta de Souza

Soneto (des)pejado -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto anal -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto anticlerical -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto ao Árcade França -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto ao Árcade Lereno -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto ao leitão -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto arcádico -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da amada gabada -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da beata esperta -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da cagada -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da cópula canina -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da cópula esculpida -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da donzela ansiosa -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da escultura escandalosa -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da mocetona pudibunda -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da porra burra -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da puta assombrosa -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da puta novata -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto das glórias carnais -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do coito interrompido -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do corno choroso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do corno interesseiro -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do diálogo conjugal -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do gozador coçador -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do gozo vitorioso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do juramento -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do lascivo pezinho -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do membro monstruoso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do mouro desmoralizado -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do padre patife -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do pau decifrado -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do prazer efêmero -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do prazer maior -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do pregador pecador -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do velho escandaloso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto dramático -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto maçônico -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto matinal -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto Napoleônico -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Sonetos Inéditos -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Sonetos -Luís Vaz de Camões

Sonhando -Casimiro de Abreu

Sonhos de virgem -Casimiro de Abreu

Sonja Sonrisal -Salomão Rovedo

Sonriendo -C. Wagner

Sou um guardador de rebanhos -Alberto Caeiro

Sova bem Merecida -Artur Azevedo

Stefan Zweig: pensamentos e perfis -Salomão Rovedo

Suje-Se, Gordo! -Machado de Assis

Suje-Se, Gordo! -Machado de Assis

Súplica -Auta de Souza

Suspiros Poéticos e Saudades -Domingos Gonçalves de Magalhães

Sylvio -Auta de Souza





Q – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

 

Qual dos dois -Machado de Assis

Quand’eu ben meto femença -Dom Dinis

Quando a erva crescer em cima da minha sepultura -Alberto Caeiro

Quando está frio no tempo do frio -Alberto Caeiro

Quando eu morrer -Auta de Souza

Quando eu não te tinha -Alberto Caeiro

Quando tornar a vir a Primavera -Alberto Caeiro

Quando tu choras -Casimiro de Abreu

Quando vier a primavera -Alberto Caeiro

Quando?!… -Casimiro de Abreu

Quant’eu, fremosa mia senhor -Dom Dinis

Quant’há, senhor, que m’eu de vós parti -Dom Dinis

Quarta parte em Lisboa na Oficina de Miguel Deslandes, com todas as licenças e privilégio real -Pe. Antônio Vieira

Quarta parte, licenças e privilégio real -Pe. Antônio Vieira

Quase Ela deu o “sim”, mas… -Afonso Henriques de Lima Barreto

Quase ministro -Machado de Assis

Quatro quartetos da amada cidade de São Luis -Salomão Rovedo

Que coita houvestes, madr’e senhor -Dom Dinis

Que estranho que m’é, senhor -Dom Dinis

Que grave coita, senhor, é -Dom Dinis

Que mui gram prazer que eu hei, senhor -Dom Dinis

Que muit’há já que nom vejo -Dom Dinis

Que razom cuidades vós, mia senhor -Dom Dinis

Que soidade de mia senhor hei -Dom Dinis

Que trist’hoj’é meu amigo -Dom Dinis

Queixumes -Casimiro de Abreu

Quem Boa Cama Faz… -Machado de Assis

Quem Casa, Quer Casa -Luís Carlos Martins Pena

Quem Casa, Quer Casa -Luís Carlos Martins Pena

Quem Casa, Quer Casa -Luís Carlos Martins Pena

Quem conta em conto… -Machado de Assis

Quem ele era? -Artur Azevedo

Quem me dera que a minha vida fosse um carro de bois -Alberto Caeiro

Quem me dera que eu fosse o pó da estrada -Alberto Caeiro

Quem não quer ser lobo… -Machado de Assis

Quem vos mui bem visse, senhor -Dom Dinis

Quer’eu em maneira de proençal -Dom Dinis

Quero vos eu, mha irmana, rogar -Bernardo de Bonaval

Questão de vaidade -Machado de Assis

Quincas Borba -Machado de Assis

Quincas Borba -Machado de Assis

Quincas Borba -Machado de Assis

Quinhentos Contos -Machado de Assis

Quisera vosco falar de grado -Dom Dinis

Quix ben, amigos, e quer’e querrei -Dom Dinis





F – Biblioteca Domínio Publico

29 09 2010

Fabulario -Coelho Netto

Falando ao Coração -Auta de Souza

Falaram-me os homens em humanidade -Alberto Caeiro

Falas de civilização, e de não dever ser -Alberto Caeiro

Falenas -Machado de Assis

Falenas -Machado de Assis

Falenas -Machado de Assis

Falou-m’hoj’o meu amigo -Dom Dinis

Família composta. (Coleção literatura para todos; v. 7) -Domingos Pellegrini

Faróis -João da Cruz e Sousa

Faróis -João da Cruz e Sousa

Farsa de Inês Pereira -Gil Vicente

Farsa do Velho da Horta -Gil Vicente

Farsa ou Auto de Inês Pereira -Gil Vicente

Fatalidade -Artur Azevedo

Fausto -Johann Wolfgang von Goethe

Fefa -Auta de Souza

Feira dos anexins -Francisco Manuel de Melo

Feitos de Mem de Sá -Pe. José de Anchieta

Felicidade pelo Casamento -Machado de Assis

Feliz -Auta de Souza

Fernando e Fernanda -Machado de Assis

Ficções do interlúdio: para além do outro oceano de Coelho Pacheco. -Fernando Pessoa

Filmer -H.G. Wells

Filomena Borges -Aluísio Azevedo

Filomena Borges -Aluísio Azevedo

Filomena Borges -Aluísio Azevedo

Filosofia de um par de botas -Machado de Assis

Fio Partido -Auta de Souza

Flor anônima -Machado de Assis

Flor de pitanga -William Henrique Stutz

Flor de Sangue -Valentim Magalhães

Flor do Campo -Auta de Souza

Flores -Auta de Souza

Flores da Noite -Lycurgo José Henrique de Paiva

Flores da Noite -Lycurgo José Henrique de Paiva

Foi Buscar Lã… -Afonso Henriques de Lima Barreto

Foi Don Fagundo un día convidar -Afonso Eanes de Coton

Folha negra -Casimiro de Abreu

Folha rota -Machado de Assis

Folhas Caídas -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett

Folhas Caídas -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett

Fragmento -Casimiro de Abreu

Fragmentos de meu tempo -Geraldo Pereira

Francisca -Machado de Assis

Frei Simão -Machado de Assis

Frei Simão -Machado de Assis

Fremosas, a Deus grado -Bernardo de Bonaval

Fritzmac -Artur Azevedo

Fulano -Machado de Assis





D – Biblioteca Domínio Publico

29 09 2010

D. Benedita -Machado de Assis

D. Jucunda -Machado de Assis

D. Mônica -Machado de Assis

D. Paula -Machado de Assis

D. Paula -Machado de Assis

D. Pedro -Alexandre Herculano

Da Literatura fantástica (teorias e contos) -Marcio Cícero de Sá

Da mais alta janela da minha casa -Alberto Caeiro

Da mia senhor que eu servi -Dom Dinis

Da minha aldeia vejo quanto a terra -Alberto Caeiro

Dadá -Auta de Souza

Dalila -Antônio Frederico de Castro Alves

De cerúleo gabão não bem coberto -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

De Cima para Baixo -Artur Azevedo

De Jerssey a Granville -Alexandre Herculano

De Joán Bol’and’eu maravilhado -Dom Dinis

De joelhos -Auta de Souza

De joelhos -Casimiro de Abreu

De Longe -Auta de Souza

De longe vejo passar no rio um navio -Alberto Caeiro

De mi vós fazerdes, senhor -Dom Dinis

De morrerdes por mi gram dereit’é -Dom Dinis

De muitas coitas, senhor, que levei -Dom Dinis

De que morredes, filha, a do corpo velido? -Dom Dinis

Decadência de dois grandes homens -Machado de Assis

Décima -Frei Caneca

Deito-me ao comprido na erva -Alberto Caeiro

Demônios -Aluísio Azevedo

Dentro da noite -João do Rio

Denúncia Involuntária -Artur Azevedo

Desalento -Auta de Souza

Desconexo desejo -Hilário Pio

Descrição da Ilha de Itaparica -Frei Manuel de Santa Maria Itaparica

Desencantos -Machado de Assis

Desespero -Antônio Frederico de Castro Alves

Despertar -Hermes Fontes

Deste modo ou daquele modo -Alberto Caeiro

Deus! -Casimiro de Abreu

Deveres do Homem -Ferdinando Medici

Diálogo dos ecos -Antônio Frederico de Castro Alves

Diálogos das Grandezas do Brasil -Izaak Walton

Diana -Machado de Assis

Diário íntimo -Afonso Henriques de Lima Barreto

Dias de guerra e de sertão -Visconde de Taunay

Dirceu de Marília -Joaquim Norberto de Souza e Silva

Discurso de Posse na ABL -Emílio de Menezes

Discurso sobre a História da Literatura do Brasil -Domingos Gonçalves de Magalhães

Discursos (obras completas) -Tobias Barreto de Menezes

Dispersão -Mário de Sá-Carneiro

Diss´a fremosa en Bonaval assí -Bernardo de Bonaval

Disse-m’hoj’un cavaleiro -Dom Dinis

Diva -José de Alencar

Diva -José de Alencar

Dívida Extinta -Machado de Assis

Dizede por Deus amigo -Dom Dinis

Dizem que em cada coisa uma coisa oculta mora -Alberto Caeiro

Dizes-me: tu és mais alguma cousa -Alberto Caeiro

Dizia la fremozinha -Afonso Sanches

Do Livro do Desassossego -Fernando Pessoa

Doente -Auta de Souza

Dois proveitos em um saco -França Júnior

Dolores -Auta de Souza

Dom Casmurro -Machado de Assis

Dom Casmurro -Machado de Assis

Dom Casmurro -Machado de Assis

Don Quixote. Vol. 1 -Miguel de Cervantes Saavedra

Don Quixote. Vol. 2 -Miguel de Cervantes Saavedra

Dona Eulália -Artur Azevedo

Dona Guidinha do Poço -Manuel de Oliveira Paiva

Dona Guidinha do Poço -Manuel de Oliveira Paiva

Dores -Casimiro de Abreu

Dos que ora son na hoste -Dom Dinis

Duas Apostas -Artur Azevedo

Duas Juízas -Machado de Assis





A – Biblioteca Dominio Publico

29 09 2010

A “Não-me-toques”! -Artur Azevedo

A Abóboda -Alexandre Herculano

A água chia no púcaro que elevo à boca -Alberto Caeiro

A Alegria da Revolução -Ken Knab

À Alma de Minha Mãe -Auta de Souza

A Alma do Lázaro -José de Alencar

A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio

A Alma Encantadora das Ruas -João do Rio

A Almanjarra -Artur Azevedo

A Ama-Seca -Artur Azevedo

A Arrábida -Alexandre Herculano

A Bela Madame Vargas -João do Rio

A bico de pena: fantasias, contos e ferfis (coleção revivendo, nº 4) -Coelho Netto

A boa vista -Antônio Frederico de Castro Alves

A Bonaval quer’eu, mia senhor, ir -Bernardo de Bonaval

A Brasileira de Prazins -Camilo Castelo Branco

A cachoeira -Antônio Frederico de Castro Alves

A cachoeira de Paulo Afonso -Antônio Frederico de Castro Alves

A Campanha Abolicionista -José Carlos do Patrocínio

A campanha da Cordilheira: diário do exército, volume 1 -Visconde de Taunay

A canoa fantástica -Antônio Frederico de Castro Alves

A Capital Federal -Artur Azevedo

A Capital Federal -Artur Azevedo

A Capital Federal -Artur Azevedo

A capital -José Maria Eça de Queirós

A Carne -Júlio Ribeiro

A Carne -Júlio Ribeiro

A Carne -Júlio Ribeiro

A Carta de Mestre João Faras -Mestre João Faras

A Carta -Pero Vaz de Caminha

A Carta -Pero Vaz de Caminha

A Carteira -Machado de Assis

A Carteira -Machado de Assis

A Cartomante -Machado de Assis

A Cartomante -Machado de Assis

A Casa Fechada -Roberto Gomes Ribeiro

A Casadinha de Fresco -Artur Azevedo

A Casinha de Fresco -Artur Azevedo

A Causa Secreta -Machado de Assis

A Causa Secreta -Machado de Assis

A chave -Machado de Assis

A Chinela Turca -Machado de Assis

A Cidade e as Serras -José Maria Eça de Queirós

A Condessa Vésper -Aluísio Azevedo

A Confissão de Lúcio -Mário de Sá-Carneiro

A Confissão de Lúcio -Mário de Sá-Carneiro

A Conquista -Coelho Neto

A Conquista -Coelho Neto

A Conselho do Marido -Artur Azevedo

A criação fantástica do humano e o conhecimento de mundo: contextos para o estudo da obra frankenstein de Mary Shelley -Ana Claudia Brida

A criança que pensa em fadas -Alberto Caeiro

A Cruz Mutilada -Alexandre Herculano

A Dama das Camélias -Alexandre Dumas

A Dama das Camélias -Alexandre Dumas

A Dama do pé-de-cabra -Alexandre Herculano

A Dança dos Ossos -Bernardo Guimarães

A declamação trágica -José Basílio da Gama

A descoberta da Índia -Coelho Netto

A Desejada das Gentes -Machado de Assis

A Desejada das Gentes -Machado de Assis

A Desobediência Civil -Henry David Thoreau

A Dívida -Artur Azevedo

A Divina Comédia -Dante Alighieri

A divina quimera -Eduardo Guimaraens

A Doença do Fabrício -Artur Azevedo

A dona que eu am’e tenho por senhor -Bernardo de Bonaval

A duas flores -Antônio Frederico de Castro Alves

A Ela -Machado de Assis

A epifania em Clarice Lispector -Achilles Cleto Cabral da Luz

A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães

A Escrava Isaura -Bernardo Guimarães

A Esfinge sem Segredo -Oscar Wilde

A esfinge sem segredo -Oscar Wilde

A espantosa realidade das cousas -Alberto Caeiro

A Eugênia -Auta de Souza

A evolução feminista e o comportamento da mulher entre as décadas de 60 e 80 nas obras de Nelson Rodrigues e Ignácio de Loyola Brandão -Andressa Aparecida Evangelista

A falência -Júlia Lopes de Almeida

A Filha de Maria Angu -Artur Azevedo

A Filha Maria de Angu -Artur Azevedo

A Filosofia do Mendes -Artur Azevedo

A garganta do diabo -Edio Riedi

A gran dereito lazerei -Afonso Eanes de Coton

A guerra que aflige com seus esquadrões -Alberto Caeiro

A Harpa do Crente -Alexandre Herculano

A Herança -Machado de Assis

A história de Seny – A caminhada -Sylvia Senny

A idéia do Ezequiel Maia -Machado de Assis

A Igreja do Diabo -Machado de Assis

A Igreja do Diabo -Machado de Assis

A Ilha da Maré -Manuel Botelho de Oliveira

A Ilha da Maré -Manuel Botelho de Oliveira

À Ilha de Maré termo desta cidade de Bahia Silva -Manuel Botelho de Oliveira

A Ilustre Casa de Ramires -José Maria Eça de Queirós

A Inglezinha Barcelos -Machado de Assis

A intrusa -Júlia Lopes de Almeida

A Intrusa -Júlia Valentina da Silveira Lopes de Almeida

A isca -Júlia Lopes de Almeida

A J. J. C. Macedo-Júnior -Casimiro de Abreu

A Jóia -Artur Azevedo

A Jóia -Artur Azevedo

A judia -Manuel Joaquim Pinheiro Chagas

A Júlia -Auta de Souza

A lotação do bondes -França Júnior

A Luís -Antônio Frederico de Castro Alves

A Luneta Mágica -Joaquim Manuel de Macedo

A Luneta Mágica -Joaquim Manuel de Macedo

A Luneta Mágica -Joaquim Manuel de Macedo

A Luta -Carmen Dolores

A Maciel Pinheiro -Antônio Frederico de Castro Alves

A mágoa do Infeliz Cosme -Machado de Assis

A Maldita Parentela -França Júnior

A Manhã fresca está, sereno o vento -Abade de Jazente

A manhã raia -Alberto Caeiro

A Mão e a Luva -Machado de Assis

A Mão e a Luva -Machado de Assis

A Mão e a Luva -Machado de Assis

A Marcelina -Artur Azevedo

À Margem da História -Euclides da Cunha

À Margem da História -Euclides da Cunha

À Margem da História -Euclides da Cunha

À Margem da História -Euclides da Cunha

A Margem -José Leon Machado

A Marquesa de Santos -Paulo Setúbal

A Marquesa de Santos -Paulo Setúbal

A medida das saudades -Geraldo Pereira

A Melhor Amiga -Artur Azevedo

A melhor das noivas -Machado de Assis

A Melhor Vingança -Artur Azevedo

A Mensageira das Violetas -Florbela Espanca

A Metamorfose -Franz Kafka

A Meu Irmão Guilherme de Castro Alves -Antônio Frederico de Castro Alves

A mia senhor que eu por mal de mi -Dom Dinis

A Minha Avó -Auta de Souza

A Moça mais Bonita do Rio de Janeiro -Artur Azevedo

A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo

A Moreninha -Joaquim Manuel de Macedo

A morgadinha dos canaviais: crônicas da aldeia -Júlio Dinis

A Mortalha de Alzira -Aluísio Azevedo

A Mortalha de Alzira -Aluísio Azevedo

A Mortalha de Alzira -Aluísio Azevedo

À morte de Affonso de A. Coutinho Nesseder estudante da Escola Central -Casimiro de Abreu

A Morte de Helena -Auta de Souza

À morte de Leandro e Hero -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

A Morte do Lidador -Alexandre Herculano

A Morte do Lidador -Alexandre Herculano

A mulher de Anacleto -Afonso Henriques de Lima Barreto

A Mulher de Preto -Machado de Assis

A Mulher de Preto -Machado de Assis

A mulher Pálida -Machado de Assis

A neve pôs uma toalha calada sobre tudo -Alberto Caeiro

A noite desce, o calor soçobra um pouco -Alberto Caeiro

A Normalista -Adolfo Caminha

A Normalista -Adolfo Caminha

A Nota de Cem Mil-Réis -Artur Azevedo

A Nova Califórnia -Afonso Henriques de Lima Barreto

A Nova Califórnia -Afonso Henriques de Lima Barreto

A Nova Califórnia -Afonso Henriques de Lima Barreto

A Onde Vai a Lágrima -Auta de Souza

A Orgia dos Duendes -Bernardo Guimarães

A Orgia dos Duendes -Bernardo Guimarães

A Origem do Mênstruo -Bernardo Guimarães

A Origem do Mênstruo -Bernardo Guimarães

A Parasita Azul -Machado de Assis

A Partida -Coelho Neto

A Pata da Gazela -José de Alencar

A Pata da Gazela -José de Alencar

A Pata da Gazela -José de Alencar

A Pele do Lobo -Artur Azevedo

A Pele do Lobo -Artur Azevedo

A Pianista -Machado de Assis

A Poesia Interminável -João da Cruz e Sousa

A Polêmica -Artur Azevedo

À Porta da Botica -Artur Azevedo

À Porta da Botica -Artur Azevedo

A presença da morte e do luto em exílio de Lya Luft -Rafael Rodrigues Gomes

A Princesa de Babilônia -Voltaire

A Princesa dos Cajueiros -Artur Azevedo

A Princesa dos Cajueiros -Artur Azevedo

A reação do bom senso -Jackson de Figueiredo

A Relíquia -José Maria Eça de Queirós

A relíquia -José Maria Eça de Queirós

A Retirada da Laguna -Visconde de Taunay

A Retirada da Laguna -Visconde de Taunay

A Ritinha -Artur Azevedo

A Segunda Vida -Machado de Assis

A Semana -Machado de Assis

A Semana -Machado de Assis

A Semana Santa -Alexandre Herculano

A Senhora do Galvão -Machado de Assis

A senzala -Antônio Frederico de Castro Alves

A Sereníssima República -Machado de Assis

A serpente de bronze -Humberto de Campos

A serpente de bronze -Humberto de Campos

A tal estado m’adusse, senhor -Dom Dinis

A tarde -Antônio Frederico de Castro Alves

A teia do contar na Nhecolândia – a personagem lendária Mãozão -Áurea Rita de Ávila Lima Ferreira

A Tempestade -Alexandre Herculano

A tia Aninha -Artur Azevedo

A Ulina -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

A última receita -Machado de Assis

A uma atriz -Antônio Frederico de Castro Alves

A uma estrangeira -Antônio Frederico de Castro Alves

A uma platéia -Casimiro de Abreu

A uma taça feita de um crânio humano -Antônio Frederico de Castro Alves

A valsa -Casimiro de Abreu

A Vida Eterna -Machado de Assis

A Vitória e a Piedade -Alexandre Herculano

A Viúva do Estanislau -Artur Azevedo

A viúva Simões -Júlia Lopes de Almeida

A viúva Sobral -Machado de Assis

A Viuvinha -José de Alencar

A Viuvinha -José de Alencar

A Viuvinha -José de Alencar

A Volta ao Mundo em 80 Dias -Júlio Verne

A Volta ao Mundo em Oitenta Dias -Júlio Verne

A volta da primavera -Antônio Frederico de Castro Alves

A Voz -Alexandre Herculano

A voz do rio -Casimiro de Abreu

A*** -Casimiro de Abreu

Abel e Helena -Artur Azevedo

Abel e Helena -Artur Azevedo

Abençoa Senhor -Auta de Souza

Abgar Renault. Antologia de sonetos -Salomão Rovedo

Abrãao e as frutas. (Coleção literatura para todos; v. 9) -Luciana V. P. de Mendonça

Aceita o universo -Alberto Caeiro

Acho tão natural que não se pense -Alberto Caeiro

Acima do dó central -Abdul Cadre

Acordar e despertar: pequenos toques para acordar ao lado da felicidade -Priscila Lima Rovedo

Acordo de noite subitamente -Alberto Caeiro

Actores e autores -Fialho d’Almeida

Adão e Eva -Machado de Assis

Adão e Eva -Machado de Assis

Adeus -Antônio Frederico de Castro Alves

Adeus! -Auta de Souza

Adoração dos Reis -Auta de Souza

Adoração dos Reis Magos -Auta de Souza

Adormecida -Antônio Frederico de Castro Alves

Advertência -Mário de Alencar

Agonia do Coração -Auta de Souza

Agora que sinto amor -Alberto Caeiro

Água de juventa (coleção revivendo, nº 7) -Coelho Netto

Ah! Querem uma luz melhor -Alberto Caeiro

Ahasverus e o gênio -Antônio Frederico de Castro Alves

Ai flores, ai flores do verde pino -Dom Dinis

Ai senhor fremosa, por Deus -Dom Dinis

Ai, fals’amigu’e sen lealdade -Dom Dinis

Ai, fremosinha, se ben ajades -Bernardo de Bonaval

Ai, senhor fremosa, por Deus -Dom Dinis

Alfarrábios: o Ermitão da Glória -José de Alencar

Alfarrábios: o Garatuja -José de Alencar

Alguém na Estrada -Auta de Souza

Alice no País das Maravilhas – Lewis Carrol

Alma Cabocla -Paulo Setúbal

Alma Cabocla -Paulo Setúbal

Alma inquieta -Olavo Bilac

Alma inquieta -Olavo Bilac

Almas Agradecidas -Machado de Assis

Almejos da angelitude – pensamentos -Valdecir de Oliveira Anselmo

Alves & Cia. -José Maria Eça de Queirós

Alves & Cia. -José Maria Eça de Queirós

Amad’e meu amigo -Dom Dinis

Amante -Antônio Frederico de Castro Alves

Amaricanto -Salomão Rovedo

Amelia Smith -Visconde de Taunay

Americanas -Machado de Assis

Amiga, bom grad’haja Deus -Dom Dinis

Amiga, faço-me maravilhada -Dom Dinis

Amiga, muit’ha gran sazón -Dom Dinis

Amiga, quem vos (ama) -Dom Dinis

Amiga, sei eu bem d’unha molher -Dom Dinis

Amigo fals’e desleal -Dom Dinis

Amigo, pois vos non vi -Dom Dinis

Amigo, queredes-vos ir? -Dom Dinis

Amimone -José Cândido de Lacerda Coutinho

Amor com amor se paga -França Júnior

Amor com amor se paga -França Júnior

Amor com amor se paga -França Júnior

Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco

Amor de Perdição -Camilo Castelo Branco

Amor de Salvação -Camilo Castelo Branco

Amor e Pátria -Joaquim Manuel de Macedo

Amor e Pátria -Joaquim Manuel de Macedo

Amor é um arder, que se não sente -Abade de Jazente

Amor por Anexins -Artur Azevedo

Amor por Anexins -Artur Azevedo

Amor por Anexins -Artur Azevedo

Amor, em que grave dia vos vi -Dom Dinis

Andar a Pé -David Henry Thoreau

Anedota do Cabriolet -Machado de Assis

Anedota Pecuniária -Machado de Assis

Angelica e Firmino -Manuel José Araújo Porto-Alegre

Angelina -Auta de Souza

Angelitude -Valdecir de Oliveira Anselmo

Anjo -Antônio Frederico de Castro Alves

Anjo! -Casimiro de Abreu

Ano Bom -Auta de Souza

Antes da Missa -Machado de Assis

Antes da Rocha Tapéia -Machado de Assis

Antes o vôo da ave, que passa e não deixa rasto -Alberto Caeiro

Antes que Cases -Machado de Assis

Antes que os jardins -Lucas Daniel Tomáz de Aquino

Antologia -Antero de Quental

Antologia Portuguesa -Theóphilo Braga

Antonica da Silva -Joaquim Manuel de Macedo

Antonieta -Auta de Souza

Antônio Rodrigues, soldado, viajante e jesuíta português na América do Sul no século XVI -Antônio Rodrigues

Ao ator Joaquim Augusto -Antônio Frederico de Castro Alves

Ao Cair da Noite -Auta de Souza

Ao Clarão da Lua -Auta de Souza

Ao Correr da Pena -José de Alencar

Ao dous de julho -Antônio Frederico de Castro Alves

Ao Entardecer (contos vários) -Visconde de Taunay

Ao entardecer -Alberto Caeiro

Ao Luar -Auta de Souza

Ao Mar -Auta de Souza

Ao Meu Bom Anjo -Auta de Souza

Ao Pé de um Berço -Auta de Souza

Ao Pé do Túmulo -Auta de Souza

Ao Senhor do Bomfim -Auta de Souza

Aos Vinte Anos -Aluísio Azevedo

Aos Vinte Anos -Aluísio Azevedo

Apaixonada por Beethoven -Salomão Rovedo

Apologos: contos para criança -Coelho Netto

Aproximações. Ensaios sobre literatura -Sônia Régis

Aquela senhora tem um piano -Alberto Caeiro

Arras por Foro de Espanha (1371-1372) -Alexandre Herculano

Arte Poética -Aristóteles

As Academias de Sião -Machado de Assis

As Asas de um Anjo (Comédia) -José de Alencar

As Asas de um Anjo (Comédia) -José de Alencar

As Asas de um Anjo (Peça) -José de Alencar

As Asneiras do Guedes -Artur Azevedo

As Bodas de Luís Duarte -Machado de Assis

As bolas de sabão que esta criança -Alberto Caeiro

As Cartas de Amabed -Voltaire

As Casadas Solteiras -Luís Carlos Martins Pena

As Casadas Solteiras -Luís Carlos Martins Pena

As Cerejas -Artur Azevedo

As Doutoras -França Júnior

As doutoras -França Júnior

As duas ilhas -Antônio Frederico de Castro Alves

Às Escuras -Artur Azevedo

As fabulas de Esopo -Joseph Shafan

As Farpas (Fevereiro a Maio 1878) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Fevereiro a Maio 1878) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Janeiro 1878) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Janeiro 1878) -Ramalho Ortigão

As Farpas (Janeiro a Fevereiro 1873) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Junho 1883) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Junho 1883) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Junho a Julho 1882) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Março a Abril 1873) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Novembro a Dezembro 1882) -José Maria Eça de Queirós

As Farpas (Outubro a Novembro 1873) -José Maria Eça de Queirós

As Forças Caudinas -Machado de Assis

As jóias da Coroa -Raul Pompéia

As jóias da Coroa -Raul Pompéia

As Maluquices do Imperador -Paulo Setúbal

As Mãos de Clarisse -Auta de Souza

As Mulheres de Mantilha -Joaquim Manuel de Macedo

As Paradas -Artur Azevedo

As Primaveras -Casimiro de Abreu

As Pupilas do Senhor Reitor -Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor -Júlio Dinis

As Pupilas do Senhor Reitor -Júlio Dinis

As quatro canções que seguem -Alberto Caeiro

Às quintas -Coelho Netto

As Religiões no Rio -João do Rio

As sete dores de Nossa Senhora -Coelho Netto

Às vezes, em dias de luz perfeita e exacta -Alberto Caeiro

As viagens -Olavo Bilac

As viagens -Olavo Bilac

As visões de Santa Thereza -Francisco Mangabeira

As Vítimas-Algozes -Joaquim Manuel de Macedo

Assí me trax coitado -Dom Dinis

Assim como falham as palavras -Alberto Caeiro

Assim! -Casimiro de Abreu

Assombramento -Afonso Arinos

Assunto para um Conto -Artur Azevedo

Astúcias de Marido -Machado de Assis

Astúcias de namorada -M. Pinheiro Chagas

Atir: cartas, contos e crônicas -Rilvan Batista de Santana

Aurora sem Dia -Machado de Assis

Auto da Alma -Gil Vicente

Auto da Alma -Gil Vicente

Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente

Auto da Barca do Inferno -Gil Vicente

Auto da Feira -Gil Vicente

Auto da Feira -Gil Vicente

Auto da Festa de São Lourenço -Pe. José de Anchieta

Auto da Índia -Gil Vicente

Auto da Índia -Gil Vicente

Auto de Mofina Mendes -Gil Vicente

Auto de Mofina Mendes -Gil Vicente

Auto Representado na Festa de São Lourenço -Pe. José de Anchieta

Auto-retrato -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Ave -Auta de Souza

Aventuras de Diófanes -Teresa Margarida da Silva e Orta

Aves da arribação -Antônio Frederico de Castro Alves

Ayres e Vergueiro -Machado de Assis