AUTOPSICOGRAFIA – Fernando Pessoa

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira a entreter a razão,
Esse comboio de corda
que se chama o coração. 

Ocupa a posição 85ª dos Os 100 Melhores Poemas Internacionais do Século XX

Anúncios
Esse post foi publicado em Poemas e Poesias. Bookmark o link permanente.

5 respostas para AUTOPSICOGRAFIA – Fernando Pessoa

  1. nazareno santos disse:

    Não acho que o poeta seja um fingidor..talvez dissmulador, porque a poesia precisa de alma e a alma do oema é o sentiento,por futil ou grandioso que seja tem que haver o sentir. Mas neese poema o mestre Fernando Pessoa realmente demonstrou genalidade, uma invençao poética de outro mundo…

    Curtir

  2. Palavras Rabiscadas disse:

    Gostei do seu comentário. As vezes eu concordo com Fernando Pessoa, outras vezes não… Bom, mas a única certeza é de que o sentimento tem que existir na alma, como vc disse, e então a partir dai voce escreve como quiser, e assim se desenvolve a poesia…

    Obrigada pela visita e comentários, foi enriquecedor.

    Abraços.
    Marli

    Curtir

  3. Pingback: Cem melhores poemas do século XX « a rua sétima_______________________

  4. Pingback: OS 100 MELHORES POEMAS INTERNACIONAIS DO SÉCULO XX «

  5. Pingback: 100 melhores poemas do seculo xx « abilio pacheco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s