HUMILDADE – Florbela Espanca

8 12 2008

 

Toda a terra que pisas, eu queria, ajoelhada,

Beijar terna e humilde em lânguido fervor;

Queria poisar fervente a boca apaixonada

Em cada passo teu, ó meu bendito amor!


De cada beijo meu, havia de nascer

Uma sangrenta flor!

Ébria de luz, ardente!

No colo purpurino havia de trazer

Desfeito no perfume o misterioso Oriente!


Queria depois colher essas flores reais,

Essas flores de sonho, estranhas, sensuais,

E lançar-tas aos pés em perfumados molhos.


Bem paga ficaria, ó meu cruel amante!

Se, sobre elas, eu visse apenas um instante

Cair como um orvalho os teus divinos olhos!

 

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: