ANJOS DO CÉU – Álvares de Azevedo

 


As ondas são anjos que dormem no mar,
Que tremem, palpitam, banhados de luz…
São anjos que dormem, a rir e sonhar
E em leito d’escuma revolvem-se nus!
E quando de noite vem pálida a lua
Seus raios incertos tremer, pratear,
E a trança luzente da nuvem flutua,
As ondas são anjos que dormem no mar!
Que dormem, que sonham- e o vento dos céus
Vem tépido à noite nos seios beijar!
São meigos anjinhos, são filhos de Deus,
Que ao fresco se embalam do seio do mar!
E quando nas águas os ventos suspiram,
São puros fervores de ventos e mar:
São beijos que queimam… e as noites deliram,
E os pobres anjinhos estão a chorar!
Ai! quando tu sentes dos mares na flor
Os ventos e vagas gemer, palpitar,
Por que não consentes, num beijo de amor
Que eu diga-te os sonhos dos anjos do mar?

Anúncios
Esse post foi publicado em Poemas e Poesias. Bookmark o link permanente.

2 respostas para ANJOS DO CÉU – Álvares de Azevedo

  1. Gleyh Pink disse:

    é a primeira ou a segunda geraçao do romance? Brasileiro ou portugues?

    Curtir

  2. Shirley Rocha disse:

    É o principal poeta da segunda geração,de herança Byroniana ou mal do século, oscila entre os piegas e o satânico, tendo sido caracterizado de várias formas por criticos e historiadores literários. É o poeta da evasão, da adolescência, da instabilidade, da solidão, da melancolia, da morte.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s