POESIA OU POEMA?

O poeta modernista brasileiro Manuel Bandeira confessou certa vez que, um dia, ao começar a escrever um livro didático sobre literatura, teve que dar uma definição da poesia e… embatucou, isto é, ficou sem ação, sem resposta. Pelo menos por um instante.

Dizia ainda o poeta: “eu, que desde os dez anos de idade faço versos; eu, que tantas vezes sentira a poesia passar em mim como uma corrente elétrica e afluir aos meus olhos sob a forma de misteriosas lágrimas de alegria: não soube no momento forjar já não digo uma definição racional dessas que, segundo regra a lógica, devem convir a todo o definido e só ao definido, mas uma definição puramente empírica, artística, literária”.

:: VEJA IMAGENS DE GRANDES POETAS ::

Como se vê, nem para um poeta genial como Bandeira foi tarefa fácil definir, com exatidão, o que vem a ser poesia. Todavia, procuraremos, de forma didática e sucinta, esclarecer o que é poesia, bem como alguns conceitos elementares ligados a ela.

  • Poesia: é, na realidade, a qualidade presente em certos artefatos culturais, capaz de despertar o sentimento do belo e provocar o encantamento estético. Dessa forma, a poesia pode estar em um conto, na cena de um filme, ou de uma telenovela; nas artes plásticas, como a pintura, a escultura; ou, como reconhecia Bandeira, nas ruas. Dizia o poeta: “Dois automóveis colidem, ou uma senhora desmaia, ou um homem é assassinado… Paira no ar um certo tumulto emocional, criando uma atmosfera de poesia. Pois bem, o poeta suscita a mesma coisa, só que mediante apenas uma colisão de palavras”.
  • Poema: é o texto composto em versos (linhas breves) e estrofes, numa oposição ao texto composto em prosa (linhas longas), isto é, composto em orações, períodos e parágrafos. Sendo assim, é evidente que nem todo poema obrigatoriamente é ou contém poesia. Assim como a boa prosa de ficção só é boa porque está carregada de poesia.
  • Verso: é o nome que se dá a cada uma das linhas que constituem um poema.
  • Metro: é o nome que se dá à extensão da linha poética. Pela contagem de sílabas de um verso, podemos estabelecer seu padrão métrico e suas unidades rítmicas.
  • Ritmo: é a sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com intervalos regulares. No verso, o ritmo é formado pela sucessão de unidades rítmicas resultantes da alternância entre sílabas acentuadas (fortes) e não-acentuadas (fracas); ou entre sílabas construídas por vogais longas e breves.
  • Melodia: é a seqüência de notas (no caso da poesia, de sons) que, apresentando organização rítmica com sentido musical, se relacionam reciprocamente, de modo a formar um todo harmônico, uma linha melódica.
  • Rima: é a igualdade ou semelhança de sons na terminação das palavras: asa, casa; asa, cada. Na rima asa, casa há paridade completa de sons a partir da vogal tônica; na rima asa, cada a paridade é só das vogais. As rimas do primeiro tipo se chamam consoantes; as do segundo, toantes. O verso apresenta quatro elementos principais: metro, ritmo, melodia e rima.Carlos Drummond de Andrade, poeta não menos genial do que Bandeira, falando de sua ligação na mocidade com o Movimento Modernista, fez importantes considerações sobre a liberdade na criação poética e sua relação com o ritmo e a melodia na poesia.Dizia Drummond: “Liguei-me na mocidade ao movimento modernista brasileiro, que se afirmou em São Paulo, 1922, e que deu maior liberdade à criação poética”. Mas ressaltava: “liberdade que não é absoluta, pois a poesia pode prescindir da métrica regular e do apoio da rima, porém não pode fugir ao ritmo, essencial à sua natureza”.Para o poeta itabirano, poderia haver muitas experiências de vanguarda, que procurava abolir tudo que caracterizava a arte da poesia, mas ninguém tinha conseguido, segundo ele, “acabar com a melodia e a emoção do verso autêntico”.

Como escandir?

Escansão é a contagem das sílabas de um verso. A seguir, as regrinhas para se escandir versos:

1) Na contagem das sílabas métricas, contamos até a última sílaba tônica e desprezamos a sílaba ou sílabas átonas finais. Diante disso, ao encontrarmos um vocábulo paroxítono não contamos a última sílaba (en/ con/ tro). Nas proparoxítonas, desprezamos, para efeito de contagem, as duas últimas sílabas (cá/ lido).

2) Quando houver encontro de vogais (vogal no fim de uma palavra e outra vogal no início do vocábulo seguinte), formando um ditongo, conta-se apenas uma sílaba métrica:

3) Ditongos crescentes forma uma única sílaba métrica: ma/ li/ cia; tê/ nue.

4) Os hiatos permanecem com suas vogais separadas – e estas constituem sílabas métricas: cru/ el ; vô/ o.

 

Estrofes

A estrofe é composta por versos.

Quanto ao número de estrofes, o poema se classifica em:

1 verso – monóstico
2 versos – dístico
3 versos – terceto
4 versos – quarteto ou quadra
5 versos – quinteto ou quintilha
6 versos – sexteto ou sextilha
7 versos – septilha
8 versos – oitava
9 versos – novena
10 versos – décima

Mais de 10 versos chamamos de irregulares.

Fonte: http://educacao.uol.com.br

Anúncios
Esse post foi publicado em Dicas de Escrita, Literarius. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para POESIA OU POEMA?

  1. Liana Fabricio disse:

    Muit[issimo interessante e esclarecedor!
    Valeu!
    Liana

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s