ÓPERA FANTASMA – Paulo Leminski

Nada tenho.

Nada me pode ser tirado.

Eu sou o ex-estranho,

O que veio sem ser chamado

E, gato, se foi

Sem fazer nenhum ruído.

Anúncios
Esse post foi publicado em Poemas e Poesias e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s