Conversa de Gênios: Robindronath Tagore & Albert Einstein

Por Marli Savelli de Campos
Tagore e Einstein se conheceram através de um amigo em comum, o Dr. Mendel. Tagore visitou Einstein em sua residência no subúrbio de Kaputh em Berlim, em 14 de julho de 1930, e Einstein retribuiu a visita a Tagore na casa de Mendel. Em ambas foram fotografados e tiveram suas conversas gravadas.  Aqui está a que foi reproduzida de 14 de julho, onde retrataram com sutileza a linguagem da música como metáfora para forjar o terreno comum científico de empreendedorismo e espiritualidade. A original foi publicada em “A Religião do Homem” (The Religion of Man, de George Allen & Unwin, Ltd., Londres), Apêndice II, pp 222-225.
TAGORE: Hoje eu estava discutindo com o Dr. Mendel sobre as novas descobertas matemáticas no que diz respeito ao reino dos átomos infinitesimais do jogo da casualidade, o drama da existência não é absolutamente predestinado em caráter.
EINSTEIN: Os fatos que levam a ciência a ser direcionada  para esta visão não vão dizer adeus à causalidade.
TAGORE: Talvez não, mas parece que a idéia da causalidade não está nos elementos, mas uma outra força constrói com eles um universo organizado.
EINSTEIN: Um tenta entender o Plano Superior na forma como a ordem é. A ordem está lá, os elementos grandes se combinam no guia da existência, mas nos elementos menores não há uma ordem perceptível.
TAGORE: A dualidade está nas profundezas da existência, a contradição do impulso livre e a diretiva que ele funciona se desenvolve em cima de um esquema ordenado das coisas.
EINSTEIN: A física moderna não diria que são contraditórios. Nuvens quando olhamos com uma certa distância, mas se você vê-las de perto, elas se mostram como gotas de água desordenada.
TAGORE: Eu encontro um paralelo na psicologia humana. Nossas paixões e desejos são indisciplinados, mas o nosso caráter subjuga esses elementos num todo, em harmonia. Será algo semelhante o que acontece no mundo físico? São os elementos rebeldes, dinâmicos com impulso individual? Existe um princípio no mundo físico que os coloca e os domina para inseri-los numa organização ordenada?
EINSTEIN: Mesmo os elementos não são sem uma ordem permanente, os elementos da rádio sempre vão manter a sua ordem específica, agora e sempre, para frente, assim como eles têm feito o tempo todo. Há, então, uma ordem permanente sobre os elementos.
TAGORE: Caso contrário, o drama da existência seria muito desconexo. É a harmonia constante do acaso e determinação que torna eternamente novo e vivo.
EINSTEIN: Eu acredito que tudo o que fazemos ou que vivemos tem sua causalidade, é bom, no entanto não podemos ver através dela.
TAGORE: Há nos assuntos humanos um elemento de elasticidade Além disso, alguma liberdade dentro de um intervalo pequeno que é para a expressão de nossa personalidade. É como o sistema musical na Índia, que não é tão rigidamente fixados como a música ocidental. Nossos compositores dão um esboço previamente definido, um sistema de melodia e arranjo rítmico, e dentro de um limite podemos improvisar em cima, dar a expressão espontânea de sensibilidade particular musical no regulamento da pré-escrita. Louvamos o compositor pela sua genialidade de criação de uma estrutura de  melodias, mas esperamos que a partir dela possamos ter habilidade em florescer e ornamentar o melódico. Na criação seguimos a lei central da existência, mas, se não só à deriva, podemos ter liberdade suficiente, dentro dos limites da nossa personalidade, do máximo de autoexpressão.
EINSTEIN: Isso só é possível quando há uma forte tradição artística na música para guiar a mente do povo. Na Europa, a música passou muito longe de arte popular e de sentimento popular e tornou-se algo como uma arte secreta com as convenções e tradições próprias.
TAGORE: Você tem que ser absolutamente obediente a esta música, é muito complicado. Na Índia, como a liberdade de um cantor está na sua própria personalidade criativa, eu posso cantar músicas do compositor como sendo própria, se eu tenho o poder de forma criativa para se afirmar na sua interpretação da lei geral da melodia que me é dada a considerar.
EINSTEIN: Ela requer um nível artístico muito elevado para realizar plenamente a grande idéia da música original, para que se possa fazer variações sobre ela. Em nosso país, as variações são muitas vezes prescritas.
TAGORE: Se em nossa conduta podemos seguir a lei de Deus, podemos ter verdadeira liberdade de autoexpressão. O princípio de conduta está lá, mas o personagem que faz com que seja verdadeira e individual é a nossa própria criação. Na nossa música existe uma dualidade de liberdade e ordem prescrita.

EINSTEIN: As palavras de uma canção também são livres? Quero dizer, o cantor é livre para adicionar suas próprias palavras para a música que está cantando?

TAGORE: Sim. Em Bengala temos um tipo de canção-kirtan que dá liberdade ao cantor para introduzir comentários entre parênteses, frases que não estavam na canção original. Estas são ocasiões de grande entusiasmo já que o público é constantemente motivado por algum sentimento bonito, espontâneo acrescentado pelo cantor.
EINSTEIN: O sistema métrico é severo?
TAGORE: Sim, muito. Você não pode exceder os limites de versificação; o cantor em todas as suas variações deve manter o ritmo e o tempo, que é fixo. Na música européia que você tem uma liberdade comparativa com o tempo e não com a melodia.
EINSTEIN: Pode a música indiana ser cantada sem palavras? Pode-se entender uma canção sem palavras?
TAGORE: Sim, temos músicas com palavras sem sentido, sons que ajudam apenas a agir como portadores de notas. No norte da Índia, a música é uma arte independente, não a interpretação das palavras e pensamentos como em Bengala. A música é muito complicada e sutil, e é um mundo completo de melodia por si só.
EINSTEIN: Não são polifônicos?
TAGORE: Instrumentos são utilizados, não para a harmonia, mas para manter o tempo e adicionar ao volume e profundidade. Você sofre melodia em suas músicas pela imposição de harmonia?
EINSTEIN: Às vezes, o sofrimento é enorme. Às vezes, a harmonia absorve a melodia no seu conjunto.
TAGORE: Melodia e harmonia são como linhas e cores nas pinturas. A linha simples pode ser uma bela pintura, a introdução da cor torná-la-á vaga e insignificante. No entanto, a cor pode, pela combinação com linhas, criar ótimas imagens, desde que não sufoque e destrua seu valor.
EINSTEIN: É uma belíssima analogia. Linha é muito mais velha que cor. Parece que a sua melodia é muito mais rica em estrutura que a nossa. A música japonesa também parece ser assim.
TAGORE: É difícil analisar o efeito da música oriental e ocidental em nossas mentes. Estou profundamente comovido com a música ocidental, eu sinto que que é vasta e grandiosa em composição e estrutura. Nossa própria música me toca de uma forma mais profunda pelo seu apelo lírico. Música européia é épica em caráter, tem um fundo largo e é de uma estrutura gótica.
EINSTEIN: Esta é uma pergunta que nós europeus não podemos responder adequadamente, estamos tão acostumados com a nossa própria música. Queremos saber se a nossa música é um sentimento humano fundamental, convencional, se sentir consonância e dissonância é natural, ou é uma convenção que aceitamos.
TAGORE: De alguma forma, o piano me confunde. O violino me agrada muito mais.
EINSTEIN: Seria interessante estudar os efeitos da música européia em um indiano que nunca a tivesse ouvido em sua juventude.
TAGORE: Uma vez pedi para um músico inglês para analisar para mim um pouco de música clássica, e me explicar quais eram os elementos que contribuem para a beleza da peça.
EINSTEIN:  A dificuldade é que a música realmente boa, seja a do Oriente ou do Ocidente, não pode ser analisada.
TAGORE: Sim, e o que afeta profundamente o ouvinte é  que ela está além de si mesmo.
EINSTEIN: A mesma incerteza persistirá nos fundamentais sobre tudo em nossa experiência, em nossa reação a arte, seja na Europa ou na Ásia. Mesmo a flor vermelha que eu vejo diante de mim na sua mesa pode não ser a mesma para você e para mim.
TAGORE: E ainda persiste o processo de reconciliação entre eles, o gosto individual em conformidade com o padrão universal.

Versão original do texto extraído dos sites:


Anúncios
Esse post foi publicado em conversa de gênios. Bookmark o link permanente.

5 respostas para Conversa de Gênios: Robindronath Tagore & Albert Einstein

  1. helio.rocca disse:

    Muito inteligente a conversa destes gênios. Creio que o mundo, a física, assim como a espiritualidade são criações gêmeas de Deus. Linda demais esta postagem. Parabéns amiga!

    Curtir

  2. Anônimo disse:

    Amei gosto muito desse físico

    Curtir

  3. Tayná disse:

    Lindo. Lindo mesmo. ^^

    Curtir

  4. Tayná disse:

    Lindo. Lindo mesmo… ^^

    Curtir

  5. Marilene S. Saenz disse:

    O dialogo dos dois e cientifico, o sentido das descricoes entre os dois, e poetico, eram duas artes narrando arte, era um dialogo uno, a emocao entre eles, era um respeito mutuo, eram dois pensamentos uno. Adorei, nao ha palavras que eu possa expressar meus agradecimentos…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s