7o Anos da Morte de Tagore, Biografia

(Clique na imagem para ampliá-la)

(Clique na imagem para ampliá-la)
07/05/1861 07/08/1941

O ÚLTIMO TRATO
Certa manhã eu ia pela pedregosa estrada,
quando com a espada na mão, chegou o Rei em sua carruagem.
“Eu me vendo!”, gritei. O Rei pegou minha mão e disse:
“Sou poderoso, eu posso te comprar”. Mas de nada valeu o seu poder
e voltou sem mim na sua carruagem.
As casas estavam fechadas sob o sol do meio-dia
E eu vagava pelas ruas curvas,
quando um velho carregando um saco de ouro veio ao meu encontro.
Hesitou por um momento, e me disse: “Sou rico, posso te comprar”.
Uma a uma, ponderou as suas moedas. Mas eu voltei-lhe a espada e saí
Anoitecia e o campo do jardim estava todo em flor.
Um gentil rapaz apareceu diante de mim e me disse:
“Eu te compro com o meu sorriso”. Mas o seu sorriso empalideceu
e borrou-se nas suas lágrimas. E se voltou sozinho outra vez à sombra.
O sol reluzia na areia e as ondas do mar rompiam caprichosamente.
Uma criança estava sentada na praia brincando com as conchas.
Levantou a cabeça e, como se já me conhecesse, disse:
“Posso te comprar com nada”. Desde que fiz este trato, jogando, sou livre.
Robindronath Tagore
(adaptado por Marli Savelli de Campos)
Anúncios
Esse post foi publicado em Biografia, José Paz, Poema. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para 7o Anos da Morte de Tagore, Biografia

  1. helio.rocca disse:

    Belos versos amiga. Na verdade, somente em Maya o material tem poder, por detrás dos véus de Isis, somente o conhecimento. Abraço fraterno, HR.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s