Glória da Última Casa Maior Que a Primeira

10 04 2014

2 (1)“A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos; e, neste lugar, darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos” (Ageu 2.9).

Assim fala o SENHOR dos Exércitos: Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo em que a Casa do SENHOR deve ser edificada. Veio, pois, a palavra do SENHOR, por intermédio do profeta Ageu, dizendo: Acaso, é tempo de habitardes vós em casas apaineladas, enquanto esta casa permanece em ruínas? Ora, pois, assim diz o SENHOR dos Exércitos: Considerai o vosso passado. Tendes semeado muito e recolhido pouco; comei, mas não chega para fartar-vos; bebeis, mas não dá para saciar-vos; vesti-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para pô-lo num saquitel furado.

Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Considerai o vosso passado. Subi ao monte, trazei madeira e edificai a casa; dela me agradarei e serei glorificado, diz o SENHOR. Esperastes o muito, e eis que veio a ser pouco, e esse pouco, quando o trouxestes para casa, eu com um assopro o dissipei. Por quê? – diz o SENHOR dos Exércitos; por causa da minha casa, que permanece em ruínas, ao passo que cada um de vós corre por causa da sua própria casa (Ageu 1.2-10).

http://www.cristaoreformado.com/2012/09/a-gloria-da-segunda-casa-uma.html

Casas em Ruínas





Está Bom de Sal?

3 01 2012

ESTÁ BOM DE SAL?

Sempre preferi salgado a doce
Pode ser até um prato de canja
– quente ou frio –
desde que bem temperado

Quando eu estou doce,
opto pelo salgado.
Quando salgada pelo doce.
Uma forma de equilibrar o paladar.
 
Minha lírica é cítrica
Onde mel não combina com céu,
mas com gema de sol,
adoçado com limão e sal.

No cardápio, a vida apimentada,
achocolatada e remexida
– a metade da laranja –
Eu atendo o pedido da alma

Marli Savelli

Publicado no Aquário Literário em 02/06/2011





Poesia e Amor Sem Gelo, Por Favor

3 01 2012

POESIA E AMOR SEM GELO, POR FAVOR

Não, eu nunca usei nenhum tipo de droga
para escrever
Poesia e Amor são os meus vícios
Sim, sou alcoolotra!
Dessas que se embriaga e não pensa no que fala
Não fumo maconha
Não cheiro cocaína
Não bebo cachaça
Liberdade não é isso, eu não preciso disso
Minhas viagens são sonhadoras
não alucinógenas
Na verdade, sinto que sou
a própria droga
Escrevo para não me perder de mim!…

Marli Savelli

 

Aproveitei para fazer este poema lembrando que hoje, 31/05, é comemorado o ”DIA MUNDIAL SEM TABACO”. A data lembra a necessidade de combater o tabagismo, hábito que leva a cerca de 5 milhões de mortes anuais no planeta, segundo a OMS. Veja 5 motivos para largar o vício

Publicado no Aquário Literário em 31/05/2011





Arroz-com-Feijão e Letras

3 01 2012

ARROZ-COM-FEIJÃO E LETRAS

O arroz queimou,
o feijão não atingiu o ponto.
Desculpe-me,
foi mera distração!…
Pensa que é fácil cuidar do jantar,
da casa,
e ainda costurar coração?…

Marli Savelli

Publicado no Aquário Literário em 30/05/2011





Meu Mundo Madrepérola

3 01 2012

MEU MUNDO MADREPÉROLA

Parece até que eu não frequentei aulas
de Geografia,
Sinto-me tão desorientada com esta divisão
– Américas, Europa, Ásia, África –
Vai além das fronteiras
do meu entendimento
E não entender me faz crer que somos um só povo
Falando idiomas diferentes,
mas pensando, sentindo e agindo
com o mesmo impulso de qualquer vivente…
Se eu te disser:
Eu te amo, em português
I love you, em inglês
Te amo, em espanhol
Je t’aime, em francês
Ich liebe dich, em alemão
Ti amo, em italiano
Kimi o ai shiteru, em japonês…
Podemos ver que sentir é
infinitamente maior que entender…
Se não fala a minha língua
fala a minha alma.

Marli Savelli

Publicado no Aquário Literário em 23/05/2011





Certamente

3 01 2012

CERTAMENTE

Clarice Lispector, me entenderia
Até parece que ela sou eu, eu sou ela!
Talvez, apenas eu…
Uma sonhadora debaixo do edredom
Longe de holofotes e flashes
Buscando nas linhas paradoxais
o equilíbrio
Certamente, posso levar a vida inteira
para ter respostas
Quem sabe em outro planeta!

Marli Savelli

Publicado no Aquário Literário em 27/05/2011





Mais Nada

1 08 2011

MAIS NADA

Não quero mais pensar em flor
Nem pensar em borboletas…
Não quero mais  contar estrelas
Nem contar nada para a lua…

Tuas delicadas presenças me bastam
Seguirei muda e sozinha…
Não se sintam desprezadas
por quem muito lhes cantou hospitalidade

Sob os olhos radiantes,
dar-lhe-eis beijos de despedida
__ Quanto vale tudo isso, ó céus?…
Um dia me rendi aos pés da flor,
e com as borboletas eu voei…
Estrela já desejei ser,
mas sou transitória como a lua!…

Marli Savelli

MAIS NADA publicada no Aquário Literário em 11/05/2011