V – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

Vai alta no céu a lua da Primavera -Alberto Caeiro

Vai-s’o meu amig’alhur sem mim morar -Dom Dinis

Valério -Machado de Assis

Valer-vos-ia, amigo, se hoj’ -Dom Dinis

Várias Histórias -Machado de Assis

Vedes, amigos, que de perdas hei -Afonso Sanches

Veeron-m’agora dizer -Afonso Eanes de Coton

Vênus! divina vênus! -Machado de Assis

Verba Testamentária -Machado de Assis

Verdade, mentira, certeza, incerteza -Alberto Caeiro

Verdades Singelas -Abade de Jazente

Verso e Reverso -José de Alencar

Versos a Inah -Auta de Souza

Versos Antigos (1885-1889) -Emílio de Menezes

Versos ligeiros -Auta de Souza

Vesperal -Coelho Netto

Viagem à roda de mim mesmo -Machado de Assis

Viagem ao Parnaso -Artur Azevedo

Viagem ao Parnaso -Artur Azevedo

Viagens de Gulliver -Jonathan Swift

Viagens na Minha Terra -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett

Viagens na Minha Terra -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett

Via-Láctea -Olavo Bilac

Via-Láctea -Olavo Bilac

Vida Urbana -Afonso Henriques de Lima Barreto

Vidros quebrados -Machado de Assis

Vila Rica -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Violeta -Casimiro de Abreu

Violeta -Raul Pompéia

Virginius -Machado de Assis

Visão -Casimiro de Abreu

Vive -Alberto Caeiro

Viver -Machado de Assis

Viver! -Machado de Assis

Vi-vos, madre, com meu amig’aqui -Dom Dinis

Volume 2: Adiós, Lite de Ratura -Paulo Vitor Grossi

Vós mi defendestes, senhor -Dom Dinis

Vós, que vos em vossos cantares meu -Dom Dinis

Vovó Andrade -Artur Azevedo

Vozes d’África -Antônio Frederico de Castro Alves

Vulcano e Minerva -José Cândido de Lacerda Coutinho





S – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

Sabina -Artur Azevedo

Sales -Machado de Assis

Sancta Virgo Virginum: Prece -Auta de Souza

Sancta Virgo Virginum: Prece -Auta de Souza

Sangue de africano -Antônio Frederico de Castro Alves

São Cristóvão -José Maria Eça de Queirós

Sarças de Fogo -Olavo Bilac

Sarças de Fogo -Olavo Bilac

Satíricos portugueses -João Ribeiro

Saudade -Auta de Souza

Saudades -Casimiro de Abreu

Schopenhauer -Thomas Mann

Se às vezes digo que as flores sorriem -Alberto Caeiro

Se depois de eu morrer -Alberto Caeiro

Se eu morrer novo -Alberto Caeiro

Se eu podess’ora meu coraçom -Dom Dinis

Se eu pudesse trincar a terra toda -Alberto Caeiro

Se gradoedes, amigo -Afonso Eanes de Coton

Se hoj’em vós há nenhum mal, senhor -Dom Dinis

Se o homem fosse, como deveria ser -Alberto Caeiro

Se quiserem que eu tenha um misticismo -Alberto Caeiro

Se veess’o meu amigo -Bernardo de Bonaval

Segredos -Casimiro de Abreu

Segundos Cantos e Sextilhas de Frei Antão -Antônio Gonçalves Dias

Seja o que for que esteja no centro do Mundo -Alberto Caeiro

Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos

Seleção de Obras Poéticas -Gregório de Matos

Seleção de Obras Poéticas II -Gregório de Matos

Sempre que penso uma coisa, traio-a -Alberto Caeiro

Sempre sonhos!… -Casimiro de Abreu

Sempre vos eu doutra rem mais amei -Afonso Sanches

Sempr’eu, mia senhor, desejei -Dom Dinis

Senhor fremosa e de mui loução -Dom Dinis

Senhor fremosa, nom poss’eu osmar -Dom Dinis

Senhor fremosa, pois me vej’aquí -Afonso Eanes de Coton

Senhor fremosa, pois no coraçom -Dom Dinis

Senhor fremosa, por qual vos Deus fez -Dom Dinis

Senhor, cuitad’é o meu coraçom -Dom Dinis

Senhor, des quando vos vi -Dom Dinis

Senhor, dizen-vos por meu mal -Dom Dinis

Senhor, en tan grave día -Dom Dinis

Senhor, hoj’houvesse eu vagar -Dom Dinis

Senhor, nom vos pês se me guisar Deus -Dom Dinis

Senhor, pois me nom queredes -Dom Dinis

Senhor, pois que m’agora Deus guisou -Dom Dinis

Senhor, que de grad’hoj’eu querría -Dom Dinis

Senhor, que mal vos nembrades -Dom Dinis

Senhora em cordel -Isabel Lima

Senhora -José de Alencar

Senhora -José de Alencar

Sentimental demais -Salomão Rovedo

Sentimental -Salomão Rovedo

Serenatas e saraus -Alexandre José de Melo Morais Filho

Sermão da Dominga XIX depois do Pentecoste (1639) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Glória de Maria, Mãe de Deus -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Dominga do Advento (1650) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Dominga do Advento (1650) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Dominga do Advento (1655) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Oitava de Páscoa -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma (1644) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Primeira Sexta-Feira da Quaresma (1651) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Quinta Dominga da Quaresma -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Quinta Dominga da Quaresma -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Segunda Dominga da Quaresma (1651) -Pe. Antônio Vieira

Sermão da Sexagésima -Pe. Antônio Vieira

Sermão das Cadeias de S. Pedro em Roma pregado na Igreja de S. Pedro. -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Dia de Ramos (1656) -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Nossa Senhora do Ó (1640) -Pe. Antônio Vieira

Sermão de S. Roque -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Catarina (1663) -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Catarina Virgem e Mártir -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Catarina Virgem e Mártir -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Teresa e do Santíssimo Sacramento -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santa Teresa -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santo Antônio -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Santo Antônio -Pe. Antônio Vieira

Sermão de São Pedro -Pe. Antônio Vieira

Sermão de São Pedro -Pe. Antônio Vieira

Sermão de Todos os Santos -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Bom Ladrão (1655) -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Espírito Santo -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Mandato (1643) -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Quarto Sábado da Quaresma (1640) -Pe. Antônio Vieira

Sermão do Segundo Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão dos Bons Anos -Pe. Antônio Vieira

Sermão dos Bons Anos -Pe. Antônio Vieira

Sermão Histórico e Panegírico nos Anos da Rainha D. Maria Francisca de Sabóia -Pe. Antônio Vieira

Sermão Histórico Panegírico nos Anos da Rainha D. Maria Francisca de Sabóia -Pe. Antônio Vieira

Sermão I – Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão II – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão II – Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão III – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão III – Maria, Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão IX – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão nas exéquias de D. Maria de Ataíde -Pe. Antônio Vieira

Sermão Nossa Senhora do Rosário com o Santíssimo Sacramento -Pe. Antônio Vieira

Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal contra as da Holanda -Pe. Antônio Vieira

Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal Contra as de Holanda -Pe. Antônio Vieira

Sermão Segundo do Mandato -Pe. Antônio Vieira

Sermão VI – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão VIII – Com o Santíssimo Sacramento Exposto Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão X – Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Sermão XI Com o Santíssimo Sacramento Exposto -Pe. Antônio Vieira

Sermão XII (1639) -Pe. Antônio Vieira

Sermão XIII -Pe. Antônio Vieira

Sermão XIV (1633) -Pe. Antônio Vieira

Serões da província -Júlio Dinis

Sete de setembro -Casimiro de Abreu

Silva: quadros e livros um artista caipira -Romildo Sant’Anna

Silvestre -Machado de Assis

Sim, talvez tenha razão -Alberto Caeiro

Sim: existo dentro do meu corpo -Alberto Caeiro

Símbolos -Emílio de Menezes

Simples -Auta de Souza

Sinais de vida no planeta Minas -Fernando Gabeira

Singular Ocorrência -Machado de Assis

Singularidades de uma Rapariga Loura -José Maria Eça de Queirós

Singularidades de uma Rapariga Loura -José Maria Eça de Queirós

Só a natureza é divina -Alberto Caeiro

-António Nobre

-Machado de Assis

Soledade -Auta de Souza

Soneto (des)pejado -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto anal -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto anticlerical -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto ao Árcade França -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto ao Árcade Lereno -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto ao leitão -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto arcádico -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da amada gabada -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da beata esperta -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da cagada -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da cópula canina -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da cópula esculpida -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da donzela ansiosa -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da escultura escandalosa -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da mocetona pudibunda -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da porra burra -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da puta assombrosa -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto da puta novata -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto das glórias carnais -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do coito interrompido -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do corno choroso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do corno interesseiro -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do diálogo conjugal -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do gozador coçador -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do gozo vitorioso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do juramento -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do lascivo pezinho -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do membro monstruoso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do mouro desmoralizado -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do padre patife -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do pau decifrado -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do prazer efêmero -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do prazer maior -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do pregador pecador -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto do velho escandaloso -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto dramático -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto maçônico -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto matinal -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Soneto Napoleônico -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Sonetos e Outros Poemas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Sonetos Inéditos -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Sonetos -Luís Vaz de Camões

Sonhando -Casimiro de Abreu

Sonhos de virgem -Casimiro de Abreu

Sonja Sonrisal -Salomão Rovedo

Sonriendo -C. Wagner

Sou um guardador de rebanhos -Alberto Caeiro

Sova bem Merecida -Artur Azevedo

Stefan Zweig: pensamentos e perfis -Salomão Rovedo

Suje-Se, Gordo! -Machado de Assis

Suje-Se, Gordo! -Machado de Assis

Súplica -Auta de Souza

Suspiros Poéticos e Saudades -Domingos Gonçalves de Magalhães

Sylvio -Auta de Souza





P – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

Paai Rengel e outros dous romeus -Afonso Eanes de Coton

Paga ou Morre! -Artur Azevedo

Página azul -Auta de Souza

Página triste -Auta de Souza

Páginas Críticas e Comemorativas -Machado de Assis

Páginas Recolhidas -Machado de Assis

Páginas Recolhidas -Machado de Assis

Pai Contra Mãe -Machado de Assis

Paisagens brasileiras -Visconde de Taunay

Palavras a alguém -Casimiro de Abreu

Palavras no mar -Casimiro de Abreu

Palavras Tristes -Auta de Souza

Pan-americano -Artur Azevedo

Panóplias -Olavo Bilac

Panóplias -Olavo Bilac

Papéis Avulsos -Machado de Assis

Papéis Avulsos -Machado de Assis

Papéis Velhos -Machado de Assis

Para além da curva da estrada -Alberto Caeiro

Para defender a pátria -Frei Caneca

Para não dizer, que não falei em flores -Marco Ramos

Paranóia delirante -Roberto Wagner Magalhães

Parecer de Concurso Literário -Emílio de Menezes

Pareceres de Machado de Assis -Machado de Assis

Passa uma borboleta por diante de mim -Alberto Caeiro

Passei toda a noite -Alberto Caeiro

Passou a diligência pela estrada, e foi-se -Alberto Caeiro

Pastor do monte, tão longe de mim com as tuas ovelhas -Alberto Caeiro

Patkull -Antônio Gonçalves Dias

Patriota? Não: só português -Alberto Caeiro

Paulino e Roberto -Artur Azevedo

PAULO -Bruno Seabra

Pedro Gobá -José Ezequiel Freire

Pedro Gobá -José Ezequiel Freire

Pegadas urbanas: Novo Hamburgo como palco do flâneur -Jeferson Francisco Selbach

Pelo passado -Auta de Souza

Pennas de Garça -Auta de Souza

Pensar em Deus é desobedecer a Deus -Alberto Caeiro

Pepita -Casimiro de Abreu

Pequetita -Artur Azevedo

Pera veer meu amigo -Dom Dinis

Perdão! -Casimiro de Abreu

Perfumes e amor -Casimiro de Abreu

Pero eu dizer quisesse -Dom Dinis

Pero que eu mui long’ estou -Dom Dinis

Peru versus Bolívia -Euclides da Cunha

Peru versus Bolívia -Euclides da Cunha

Peru versus Bolívia -Euclides da Cunha

Pesar mi fez meu amigo -Dom Dinis

Pesquisa sem frescura -Jeferson Francisco Selbach

Pétala dobrada para trás da rosa -Alberto Caeiro

Piedade Filial -Artur Azevedo

Pílades e Orestes -Machado de Assis

Pobre Cardeal! -Machado de Assis

Pobre Finoca -Machado de Assis

Pobre flor! -Auta de Souza

Pobres das flores dos canteiros dos jardins regulares -Alberto Caeiro

Pobres Liberais! -Artur Azevedo

Poema da mocidades seguido de Anjo do lar -M. Pinheiro Chagas

Poema da Virgem -Pe. José de Anchieta

Poema dos Feitos de Mem de Sá -Pe. José de Anchieta

Poemas -Alphonsus de Guimarães

Poemas -Alphonsus de Guimarães

Poemas -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Poemas -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Poemas da Morte -Emílio de Menezes

Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa

Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa

Poemas de Álvaro de Campos -Fernando Pessoa

Poemas de Fagundes Varela -Luís Nicolau Fagundes Varela

Poemas de Fernando Pessoa -Fernando Pessoa

Poemas de Raul de Leoni -Raul de Leoni

Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa

Poemas de Ricardo Reis -Fernando Pessoa

Poemas em Inglês -Fernando Pessoa

Poemas Escolhidos -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Poemas Humorísticos e Irônicos -João da Cruz e Sousa

Poemas Inconjuntos -Fernando Pessoa

Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos -Alvarez Azevedo

Poemas Irônicos, Venenosos e Sarcásticos -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Poemas -Luís Nicolau Fagundes Varela

Poemas Malditos -Alvarez Azevedo

Poemas Malditos -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Poemas -Safo

Poemas Selecionados -Florbela Espanca

Poemas Traduzidos -Fernando Pessoa

Poesia e amor -Casimiro de Abreu

Poesia Litigiosa -Antônio Frederico de Castro Alves

Poesia Satírica e Versos de Circunstância -Emílio de Menezes

Poesias Colegiais -Antônio Frederico de Castro Alves

Poesias Coligidas -Antônio Frederico de Castro Alves

Poesias Coligidas -Antônio Frederico de Castro Alves

Poesias Completas -Laurindo José da Silva Rabelo

Poesias dispersas -Machado de Assis

Poesias Escolhidas -José Cândido de Lacerda Coutinho

Poesias -Francisca Julia da Silva

Poesias Inéditas -Fernando Pessoa

Poesias -Júlio Dinis

Poesias -Luis Delfino dos Santos

Poesias -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Poesias Manuscritas -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Poetas devem jogar poemas no lixo -Nelson Lima

Pois ante vós estou aqui -Dom Dinis

Pois mia ventura tal é ja -Dom Dinis

Pois não é?! -Casimiro de Abreu

Pois que diz meu amigo -Dom Dinis

Pois que vos Deus fez, mia senhor -Dom Dinis

Pois que vos Deus, amigo, quer guisar -Dom Dinis

Polêmicas e reflexões -Machado de Assis

Pombos mensageiros -Auta de Souza

Ponto de Vista -Machado de Assis

Ponto de Vista -Machado de Assis

Por Deus, amiga, pês-vos do gram mal -Dom Dinis

Por Deus, amigo, quen cuidaría -Dom Dinis

Por Deus, punhade de veerdes meu -Dom Dinis

Porca elegia -Salomão Rovedo

Possível e Impossível -Machado de Assis

Pouco a pouco o campo se alarga e se doura -Alberto Caeiro

Pouco me importa -Alberto Caeiro

Poverina -Artur Azevedo

Praz-m’ a mi, senhor, de morrer -Dom Dinis

Preguntar-vos quero por Deus -Dom Dinis

Primas de Sapucaia -Machado de Assis

Primaveras -Casimiro de Abreu

Primeiras Trovas Burlescas -Luiz Gonzaga Pinto da Gama

Primeiro Fausto -Fernando Pessoa

Primeiro prenúncio de trovoada de depois de amanhã -Alberto Caeiro

Primeiros Cantos -Antônio Gonçalves Dias

Primeiros Cantos -Antônio Gonçalves Dias

Produções Satíricas e Bocageanas de Bernardo de Guimarães -Bernardo Guimarães

Proençaes soen mui ben trobar -Dom Dinis

Profissão de fé -Olavo Bilac

Prólogos Interessantíssimos -Vários Autores

Prosa de Circunstância -Emílio de Menezes

Prosas Bárbaras -José Maria Eça de Queirós

Prosopopéia -Bento Teixeira

Prosopopéia -Bento Teixeira

Prosopopéia -Bento Teixeira

Prosopopéia -Bento Teixeira

Prosopopéia -Bento Teixeira

Puelina -Artur Azevedo





O – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

O 15 e o 17 -Artur Azevedo

O Abolicionismo -Joaquim Nabuco

O adeus de Teresa -Antônio Frederico de Castro Alves

O Alcaide de Santarém -Alexandre Herculano

O Alforge da Boa Razão -Bruno Seabra

O Alienista -Machado de Assis

O Alienista -Machado de Assis

O Alienista -Machado de Assis

O almada -Machado de Assis

O amor é uma companhia -Alberto Caeiro

O Anel de Polícrates -Machado de Assis

O Anjo Caído -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett

O anjo das donzelas -Machado de Assis

O anjo Rafael -Machado de Assis

O Arco de Sant’ana -João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett

O Asa-negra -Artur Azevedo

O astrólogo -Machado de Assis

O Ateneu -Raul Pompéia

O Ateneu -Raul Pompéia

O Ateneu -Raul Pompéia

O Badejo -Artur Azevedo

O BAILE DO JUDEU -Inglês de Souza

O baile na flor -Antônio Frederico de Castro Alves

O baile! -Casimiro de Abreu

O balanceio de Lauro Maia -Miguel Ângelo de Azevedo (Nirez)

O bandolim da desgraça -Antônio Frederico de Castro Alves

O Banqueiro Anarquista -Fernando Pessoa

O Barão de Pituaçu -Artur Azevedo

O Barão de Pituaçu -Artur Azevedo

O Beija-Flor -Auta de Souza

O Bispo Negro -Alexandre Herculano

O Bobo -Alexandre Herculano

O Bote de rapé -Machado de Assis

O Brasil anedótico -Humberto de Campos

O Cabeleira -Franklin Távora

O Cabeleira -Franklin Távora

O Cabeleira -Franklin Távora

O Caçador de Esmeraldas -Olavo Bilac

O Caçador de Esmeraldas -Olavo Bilac

O Caçador Doméstico -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Califa da Rua do Sabão -Artur Azevedo

O Califa da Rua do Sabão -Artur Azevedo

O Califa da Rua do Sabão -Artur Azevedo

O califa de platina -Machado de Assis

O caminho da porta -Machado de Assis

O caminho de Damasco -Machado de Assis

O Cancioneiro Português da Vaticana -Teophilo Braga

O cancioneiro portuguez da Vaticana -Teophilo Braga

O capitão Mendonça -Machado de Assis

O carro 13 -Machado de Assis

O caso Barreto -Machado de Assis

O caso da Viúva -Machado de Assis

O caso do Romualdo -Machado de Assis

O caso Traps: Presságio Funesto -Rolando Júnior

O Castelo da Faria -Alexandre Herculano

O Cemitério dos Vivos -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Cemitério dos Vivos -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Cemitério dos Vivos -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Chapéu -Artur Azevedo

O ciúme -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

O Conde d’Abranhos -José Maria Eça de Queirós

O Cônego ou Metafísica do Estilo -Machado de Assis

O Cônego ou Metafísica do Estilo -Machado de Assis

O contrato -Machado de Assis

O coração -Antônio Frederico de Castro Alves

O Coração e o Beijo -Auta de Souza

O corpo feminino em debate -Maria Izilda Santos de Matos

O Cortiço -Aluísio Azevedo

O Cortiço -Aluísio Azevedo

O Cortiço -Aluísio Azevedo

O Coruja -Aluísio Azevedo

O crepúsculo sertanejo -Antônio Frederico de Castro Alves

O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós

O Crime do Padre Amaro -José Maria Eça de Queirós

O Cuco -Artur Azevedo

O cuecão de Chiquinho -José Felipe Nazário Júnior

O curioso caso dos quatro -Maikon Patrick Garcia

O D N A de Emanuel -Rilvan Batista de Santana

O declínio da tradição no espírito da subversão: o papel do intelectual, a literatura militante e a tradição literária brasileira nas crônicas de Lima Barreto (1881-1922) -Luiz Fernando Gomes

O defeito de família -França Júnior

O defeito de família -França Júnior

O Defunto -Thomaz Lopes

O Demônio Familiar -José de Alencar

O destinado -Machado de Assis

O Devanear do Céptico -Bernardo Guimarães

O dia da criação -Eduardo Alves da Silva

O dialeto caipira -Amadeu Amaral

O Dicionário -Machado de Assis

O Diletante -Artur Azevedo

O Diplomático -Machado de Assis

O Diplomático -Machado de Assis

O Dote -Artur Azevedo

O Duplo -Coelho Neto

O Duplo -Coelho Neto

O Elixir da Longa Vida -Honoré de Balzac

O Elixir do Pajé -Bernardo Guimarães

O Elixir do Pajé -Bernardo Guimarães

O Elogio da Mentira e outras histórias -Lycio de Faria

O empresário -Rilvan Batista de Santana

O Empréstimo -Machado de Assis

O Enfermeiro -Machado de Assis

O Enfermeiro -Machado de Assis

O enviado -Rilvan Batista de Santana

O Ermitão de Muquém -Bernardo Guimarães

O Ermitão do Muquém -Bernardo Guimarães

O Escravocrata -Artur Azevedo

O Escravocrata -Artur Azevedo

O escrivão Coimbra -Machado de Assis

O Espelho -Machado de Assis

O espelho reflecte certo -Alberto Caeiro

O Espírito -Artur Azevedo

O Esqueleto -Aluísio Azevedo

O estilo gótico na literatura: estudo da obra drácula, o vampiro da noite de Bram Stoker -Ana Claudia Brida

O Eu profundo e os outros Eus. -Fernando Pessoa

O Falso Dom Henrique V -Afonso Henriques de Lima Barreto

O fantasma e a canção -Antônio Frederico de Castro Alves

O Filho de Gabriela -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Galã -Artur Azevedo

O Galo -Artur Azevedo

O Garatuja -José de Alencar

O Garimpeiro -Bernardo Guimarães

O Gaúcho -José de Alencar

O gondoleiro do amor -Antônio Frederico de Castro Alves

O gram viç’e o gram sabor -Dom Dinis

O Gramático -Artur Azevedo

O Guarani -José de Alencar

O Guardador de Rebanhos -Fernando Pessoa

O Homem -Aluísio Azevedo

O Homem -Artur Azevedo

O Homem dos Quarenta Escudos -Voltaire

O Homem que Sabia Javanês -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Homem que Sabia Javanês e Outros Contos -Afonso Henriques de Lima Barreto

O hóspede -Antônio Frederico de Castro Alves

O Humor e a Ironia em Bernardo de Guimarães -Bernardo Guimarães

O imortal -Machado de Assis

O Ingênuo -Voltaire

O Jaó -Artur Azevedo

O Japão -Aluísio Azevedo

O Judas em Sábado de Aleluia -Luís Carlos Martins Pena

O Judas em Sábado de Aleluia -Luís Carlos Martins Pena

O Juiz de Paz da Roça -Luís Carlos Martins Pena

O Juiz de Paz da Roça -Luís Carlos Martins Pena

O Juiz de Paz da Roça -Luís Carlos Martins Pena

O juiz -Rilvan Batista de Santana

O laço de fita -Antônio Frederico de Castro Alves

O Lapso -Machado de Assis

O Lencinho -Artur Azevedo

O Liberato -Artur Azevedo

O Liberato -Artur Azevedo

O Livro da Lei -Aleister Crowley

O Livro de Cesario Verde -Cesario Verde

O Livro de Cesario Verde -José Joaquim Cesário Verde

O Livro de Cesário Verde -José Joaquim Cesário Verde

O livro de Jó -José Elói Ottoni

O Livro de uma Sogra -Aluísio Azevedo

O Livro de uma Sogra -Aluísio Azevedo

O Livro de uma Sogra -Aluísio Azevedo

O livro D’ele -Florbela Espanca

O Livro Derradeiro -João da Cruz e Sousa

O Livro Derradeiro -João da Cruz e Sousa

O livro e a América -Antônio Frederico de Castro Alves

O Lobisomem -Raymundo Magalhães

O Lobisomem -Raymundo Magalhães

O luar através dos altos ramos -Alberto Caeiro

O luar quando bate na relva -Alberto Caeiro

O machete -Machado de Assis

O maestro sacode a batuta -Alberto Caeiro

O Major Napoleão -M. Pinheiro Chagas

O Mambembe -Artur Azevedo

O Mandarim -José Maria Eça de Queirós

O Mandarim -José Maria Eça de Queirós

O marido da adultera -Lúcio de Mendonça

O Matuto -Franklin Távora

O melhor remédio -Machado de Assis

O Mercador de Veneza -William Shakespeare

O meu amig’, amiga, non quer’eu -Dom Dinis

O meu amigo há de mal assaz -Dom Dinis

O Meu Criado João -Artur Azevedo

O meu olhar azul como o céu -Alberto Caeiro

O meu olhar é nítido como um girassol -Alberto Caeiro

O Missionário -Inglês de Sousa

O Missionário -Inglês de Souza

O Mistério da Estrada de Sintra -José Maria Eça de Queirós

O mistério das cousas, onde está ele? -Alberto Caeiro

O Moço Loiro -Joaquim Manuel de Macedo

O Monstro e Outros contos -Humberto de Campos

O Monstro e Outros Contos -Humberto de Campos

O Movimento da Independência, -Oliveira Lima

O Mulato -Aluísio Azevedo

O Mulato -Aluísio Azevedo

O Mulato -Aluísio Azevedo

O Mundo como Está -Voltaire

O nadador -Antônio Frederico de Castro Alves

O Namorador ou a Noite de São João -Luís Carlos Martins Pena

O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves

O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves

O Navio Negreiro -Antônio Frederico de Castro Alves

O Noviço -Luís Carlos Martins Pena

O Noviço -Luís Carlos Martins Pena

O Noviço -Luís Carlos Martins Pena

O Número da Sepultura -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Oráculo -Machado de Assis

O Pai -Machado de Assis

O País das Quimeras -Machado de Assis

O Palhaço -Artur Azevedo

O Parnaso Obsequioso e Obras Poéticas -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

O Parocho da aldeia -Alexandre Herculano

O Passado, passado -Machado de Assis

O pastor amoroso -Fernando Pessoa

O pastor amoroso perdeu o cajado -Alberto Caeiro

O Paulo -Artur Azevedo

O Pecado -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Penúltimo poema -Alberto Caeiro

O Poeta e a Inquisição -Visconde de Araguaia

O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós

O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós

O Primo Basílio -José Maria Eça de Queirós

O Primo da Califórnia -Joaquim Manuel de Macedo

O Primo da Califórnia -Joaquim Manuel de Macedo

O Príncipe de Nassau -Paulo Setúbal

O Príncipe de Nassau -Paulo Setúbal

O Príncipe Sapo -Adolfo Coelho

O programa -Machado de Assis

O Protocolo -Machado de Assis

O quarto dos dragões -Breno Pannia Espósito

O que é – simpatia -Casimiro de Abreu

O que é o Casamento? -José de Alencar

O que é o Casamento? -José de Alencar

O que nós vemos das cousas são as cousas -Alberto Caeiro

O que ouviu os meus versos -Alberto Caeiro

O que são as moças -Machado de Assis

O que são estrelas -Auta de Souza

O que vos nunca cuidei a dizer -Dom Dinis

O quê? -Casimiro de Abreu

O quê? Valho mais que uma flor -Alberto Caeiro

O Rei dos Caiporas -Machado de Assis

O Relógio de Ouro -Machado de Assis

O Retrato -Artur Azevedo

O Rio de Janeiro – Verso e Reverso -José de Alencar

O Rio de Janeiro 1877 -Artur Azevedo

O Rio de Janeiro em 1877 -Artur Azevedo

O Romance do Prata -Paulo Setúbal

O Romance do Prata -Paulo Setúbal

O Sá -Artur Azevedo

O Sacrifício -Franklin Távora

O Sacrifício -Franklin Távora

O sainete -Machado de Assis

O segredo -Antônio Frederico de Castro Alves

O Segredo de Augusta -Machado de Assis

O Segredo de Augusta -Machado de Assis

O Segredo do Bonzo -Machado de Assis

O Seminarista -Bernardo Guimarães

O seminarista -Bernardo Guimarães

O Sertanejo -José de Alencar

O sertanejo revisitado pela ficção de Euclides da Cunha -José Jonas Camelo de França

O Soldado -Alexandre Herculano

O soldado Jacob -José Joaquim Medeiros de Albuquerque

O sonhador -Salomão Rovedo

O Sonho das Esmeraldas -Paulo Setúbal

O Sonho das Esmeraldas -Paulo Setúbal

O Sonho do Conselheiro -Artur Azevedo

O Subterrâneo do Morro do Castelo -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Subterrâneo do Morro do Castelo -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia -Alberto Caeiro

O Telefone -Artur Azevedo

O Teles e o Tobias -Machado de Assis

O tipo brasileiro -França Júnior

O tipo brasileiro -França Júnior

O tonel das dânaides -Antônio Frederico de Castro Alves

O toque das almas -Wilder Machado da Cruz

O Touro Branco -Voltaire

O Touro Negro -Aluísio Azevedo

O Tribofe -Artur Azevedo

O Tribofe -Artur Azevedo

O triste fim de Policarpo Quaresma -Afonso Henriques de Lima Barreto

O triste fim de Policarpo Quaresma -Afonso Henriques de Lima Barreto

O Turbilhão -Coelho Neto

O Turbilhão -Coelho Neto

O Último dia de um poeta -Machado de Assis

O Último Palpite -Artur Azevedo

O Único Assassinato de Cazuza -Afonso Henriques de Lima Barreto

O único mistério do Universo é o mais e não o menos -Alberto Caeiro

O Universo não é uma idéia minha -Alberto Caeiro

O Uraguai -José Basílio da Gama

O Vaqueano -Apolinário José Gomes Porto-Alegre

O Vaqueano -Apolinário José Gomes Porto-Alegre

O Velho da Horta -Gil Vicente

O Velho Senado -Machado de Assis

O vôo do gênio -Antônio Frederico de Castro Alves

O voss’amig’, ai amiga -Dom Dinis

O voss’amig’, amiga, vi andar -Dom Dinis

O voss’amigo tam de coraçom -Dom Dinis

Obra completa, 4º edição -José Joaquim Cesário Verde

Obras -Bento de Figueiredo Tenreiro Aranha

Obras completas de Almeida Garrett: lirica, volume II -João Baptista da Silva Leitão

Obras completas de Almeida Garrett: teatro, volume IV -João Baptista da Silva Leitão

Obras completas -Filinto Elísio de Sousa Ramalho

Obras completas -José de Sousa Monteiro

Obras completas, poesia I -Teophilo Braga

Obras completas, poesia II -Teophilo Braga

Obras completas, poesia IV -Teophilo Braga

Obras poéticas (nova edição) -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Obras Poéticas de Glauceste Satúrnio -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Obras poéticas -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Obras Seletas -Rui Barbosa

Obrigada! -Auta de Souza

Ocidentais -Machado de Assis

Ocidentais -Machado de Assis

Octogenário -Artur Azevedo

Ode ao dous de julho -Antônio Frederico de Castro Alves

Oimais quer’eu ja leixá-lo trobar -Dom Dinis

Olá, guardador de rebanhos -Alberto Caeiro

Olhos Azuis -Auta de Souza

Onda -Machado de Assis

Ondas e Outros Poemas Esparsos -Euclides da Cunha

Onde estás -Antônio Frederico de Castro Alves

Ontem à tarde um homem das cidades -Alberto Caeiro

Ontem o pregador de verdades dele -Alberto Caeiro

Onze anos depois -Machado de Assis

Ora vej’eu bem, mia senhor -Dom Dinis

Ora, senhor, nom poss’eu já -Dom Dinis

Oração da noite -Auta de Souza

Orações -Casimiro de Abreu

Orai por ele -Machado de Assis

Orraca López vi doente un día -Afonso Eanes de Coton

Os Brilhantes do Brasileiro -Camilo Castelo Branco

Os Bruzundangas -Afonso Henriques de Lima Barreto

Os Bruzundangas -Afonso Henriques de Lima Barreto

Os Bruzundangas -Afonso Henriques de Lima Barreto

Os canários -Auta de Souza

Os Ciúmes de um Pedestre ou o Terrível Capitão do Mato -Luís Carlos Martins Pena

Os Compadres -Artur Azevedo

Os deuses de casaca -Machado de Assis

Os Dez por Cento -Artur Azevedo

Os Dois Amores -Joaquim Manuel de Macedo

Os Dois Andares -Artur Azevedo

Os Dois ou o Inglês Maquinista -Luís Carlos Martins Pena

Os Escravos -Antônio Frederico de Castro Alves

Os esquecidos -Mayer Garção

Os Estrangeiros -Francisco de Sá de Miranda

Os fidalgos da casa mourisca -Júlio Dinis

Os Filhos do Padre Anselmo -António da Costa Couto Sá de Albergaria

Os Irmãos das Almas -Luís Carlos Martins Pena

Os Irmãos das Almas -Luís Carlos Martins Pena

Os Irmãos Leme -Paulo Setúbal

Os Irmãos Leme -Paulo Setúbal

Os Lobisomens -Manuel José Araújo Porto-Alegre

Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões

Os Lusíadas -Luís Vaz de Camões

Os Maias -José Maria Eça de Queirós

Os Maias -José Maria Eça de Queirós

Os Noivos -Artur Azevedo

Os Noivos -Artur Azevedo

Os Óculos de Pedro Antão -Machado de Assis

Os Ouvidos do Conde de Chesterfield e o Capelão Goudman -Voltaire

Os pastores de Virgílio tocavam avenas e outras cousas -Alberto Caeiro

Os Pobres -Raul Brandão

Os quilombos -Ministério das Relações Exteriores

Os retirantes -José do Patrocínio

Os romances da semana -Joaquim Manuel de Macedo

Os Sertões -Euclides da Cunha

Os Sertões -Euclides da Cunha

Os Sertões -Euclides da Cunha

Os Sonhos d’Ouro -José de Alencar

Os Timbiras -Antônio Gonçalves Dias

Os três tempos do Édipo em Lacan e a terceira margem do rio em Rosa -Eduardo Benzatti do Carmo

Oswaldo -Auta de Souza

Outras Poesias -Augusto dos Anjos

Outro soneto ao França -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Outro Soneto do Prazer Efêmero -Manuel Maria de Barbosa du Bocage





M – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

Ma madre velida -Dom Dinis

Macário -Alvarez Azevedo

Macário -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Macário -Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Macbeth -William Shakespeare

Madalena. (Coleção literatura para todos; v.1) -Cristiane Dantas

Madresilvas -Brasilio Machado

Madrid -M. Pinheiro Chagas

Mãe -José de Alencar

Mãe penitente -Antônio Frederico de Castro Alves

Maîtres de plaisir [construtores de imagens] -Jeferson Francisco Selbach

Mal por Mal… -Artur Azevedo

Mana Maria -Alcântara Machado

Manel Capineiro -Afonso Henriques de Lima Barreto

Manhã no Campo -Auta de Souza

Mano -Coelho Neto

Manuscrito de um Sacristão -Machado de Assis

Marcha Fúnebre -Machado de Assis

Marcha Fúnebre -Machado de Assis

Marginália -Afonso Henriques de Lima Barreto

Marginália -Afonso Henriques de Lima Barreto

Marginalidade, violência e testemunho nos contos de Marcelino Freire -Flávia Heloísa Unbehaum Ferraz

Maria -Antônio Frederico de Castro Alves

Maria Cora -Machado de Assis

Maria Dusá -Lindolfo Rocha

Maria Dusá -Lindolfo Rocha

Maria Madalena -Rilvan Batista de Santana

Maria Rosa Mística Excelências, Poderes e Maravilha do seu Rosário -Pe. Antônio Vieira

Maria Rosa Mística -Pe. Antônio Vieira

Mariana -Machado de Assis

Mariana -Machado de Assis

Marília de Dirceu -Tomáz Antônio Gonzaga

Marília de Dirceu -Tomáz Antônio Gonzaga

Marília de Dirceu -Tomáz Antônio Gonzaga

Mari’Mateu, ir-me quer’eu d’aquén -Afonso Eanes de Coton

Masterpieces of american wit and humor -Thomas L. Masson

Mater -Auta de Souza

Mateus e Mateusa -Qorpo Santo

Mattos, Malta ou Matta? -Aluísio Azevedo

Máximas, Pensamentos e Reflexões -Marquês de Maricá

Médico é Remédio -Machado de Assis

Médico é remédio -Machado de Assis

Meestre Nicolás, a meu cuidar -Afonso Eanes de Coton

Meia hora de cinismo -França Júnior

Meia hora de cinismo -França Júnior

Mel -Salomão Rovedo

Melancolia -Auta de Souza

Memorial de Aires -Machado de Assis

Memorial de Aires -Machado de Assis

Memorial de Aires -Machado de Assis

Memorial de um passageiro de bonde -Amadeu Amaral

Memorial de um Passageiro de Bonde -Amadeu Amaral

Memórias da Rua do Ouvidor -Joaquim Manuel de Macedo

Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida

Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida

Memórias de um Sargento de Milícias -Manuel Antônio de Almeida

Memórias e Cotidiano do Rio de Janeiro no Tempo do Rei: trechos selecionados das cartas de Luís Joaquim dos Santos Marrocos -Luís Joaquim dos Santos Marrocos

Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis

Memórias Póstumas de Brás Cubas -Machado de Assis

Menina e Moça -Bernardim Ribeiro

Mensagem -Fernando Pessoa

Mesura sería, senhor -Dom Dinis

Metafísica das Rosas -Machado de Assis

Meto-me para dentro, e fecho a janela -Alberto Caeiro

Meu amig’, u eu sejo -Dom Dinis

Meu amigo vem hoj’aqui -Dom Dinis

Meu amigo, nom poss’eu guarecer -Dom Dinis

Meu Pai -Auta de Souza

Meus oito anos -Casimiro de Abreu

Micrômegas -Voltaire

Migalhas de história portuguesa -M. Pinheiro Chagas

Milagre do Natal -Afonso Henriques de Lima Barreto

Miloca -Machado de Assis

Mimo de Anos -Auta de Souza

Minh’Alma e o Verso -Auta de Souza

Minha formação -Joaquim Nabuco

Minha formação -Joaquim Nabuco

Minha formação -Joaquim Nabuco

Minha mãe -Casimiro de Abreu

Minh’alma é triste -Casimiro de Abreu

Miss Dollar -Machado de Assis

Miss Dollar -Machado de Assis

Miss Kate -Cosme Velho

Missa do Galo -Machado de Assis

Missal -João da Cruz e Sousa

Missal -João da Cruz e Sousa

Mistério -Auta de Souza

Místico -Auta de Souza

Mocidade -Casimiro de Abreu

Mocidade e Morte -Alexandre Herculano

Mocidade e morte -Antônio Frederico de Castro Alves

Mocidade morta -Luis Gonzaga Duque Estrada

Momento literário -João do Rio

Morena -Auta de Souza

Moreninha -Casimiro de Abreu

Morta -Auta de Souza

Morta que Mata -Artur Azevedo

Mortalhas -Emílio de Menezes

Motta Coqueiro ou A pena de morte -José do Patrocínio

Mudo e quedo -Antônio Frederico de Castro Alves

Muitos anos depois -Machado de Assis

Mulheres: história e direitos -Jeferson Francisco Selbach

Munúsciulo Métrico -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Murmúrios da tarde -Antônio Frederico de Castro Alves





E – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

É noite -Alberto Caeiro

Écloga de Jano e Franco -Bernardim Ribeiro

Édipo-Rei -Sófocles

Eficiência Militar -Afonso Henriques de Lima Barreto

Elbow-Room – A Novel Without a Plot -Charles Heber Clark

Elefantes e Ursos -Artur Azevedo

Elogio da vaidade -Machado de Assis

Em busca dos contos perdidos -Mariza B. T. Mendes

Em gram coita, senhor -Dom Dinis

Em Sonhos -Artur Azevedo

En grave día, senhor, que vos oí -Dom Dinis

Encarnação -José de Alencar

Encarnação -José de Alencar

Encher tempo -Machado de Assis

Encontros Reveladores -Artur Azevedo

Ensaio Histórico sobre as Letras no Brasil -Francisco Adolfo de Varnhagen

Ensaio Histórico sobre as Letras no Brasil -Francisco Adolfo de Varnhagen

Entre 1892 e 1894 -Machado de Assis

Entre a juntura dos ossos. (Coleção literatura para todos; v. 5) -Vera Lúcia de Oliveira

Entre a Missa e o Almoço -Artur Azevedo

Entre a Missa e o Almoço -Artur Azevedo

Entre duas datas -Machado de Assis

Entre Marília e a pátria -Frei Caneca

Entre o que vejo -Alberto Caeiro

Entre Santos -Machado de Assis

Entre Santos -Machado de Assis

Entrei para o Clube Jácome -França Júnior

Epaminondas -Artur Azevedo

Epicédio -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Epitáfio — Se estiver nos meus fados a próxima extinção de meus dias -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Ernesto de Tal -Machado de Assis

Ernesto de Tal -Machado de Assis

Erótica -Rafael Rodrigues Gomes

Esaú e Jacó -Machado de Assis

Esaú e Jacó -Machado de Assis

Esaú e Jacó -Machado de Assis

Esparsos e Inéditos -Emílio de Menezes

Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves

Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves

Espumas Flutuantes -Antônio Frederico de Castro Alves

Esta tarde a trovoada caiu -Alberto Caeiro

Estas quatro canções, escrevi-as estando doente -Alberto Caeiro

Estas verdades não são perfeitas porque são ditas -Alberto Caeiro

Este mundo da injustiça globalizada -José Saramago

Estes, que m’ora tolhem mia Senhor -Afonso Sanches

Estórias de Jenni -Voltaire

Estou doente -Alberto Caeiro

Estrada a Fora -Auta de Souza

Eterna dor -Auta de Souza

Eterna Mágoa -Augusto dos Anjos

Eterno! -Machado de Assis

Eu -Augusto dos Anjos

Eu e Outras Poesias -Augusto dos Anjos

Eu nasci além dos mares -Casimiro de Abreu

Eu nunca guardei rebanhos -Alberto Caeiro

Eu queria ter o tempo e o sossego suficientes -Alberto Caeiro

Eu sou a vida; eu não sou a morte -Qorpo Santo

Eurico, o Presbítero -Alexandre Herculano

Evolução -Machado de Assis

Ex Cathedra -Machado de Assis





C – Biblioteca Domínio Público

29 09 2010

Cabelos molhados. (Coleção literatura para todos; v. 10) -Luís Pimentel

Cachoeira em crônicas: cotidiano -Jeferson Francisco Selbach

Café com Cuca -Ismar Imhof

Caiu o Ministério -França Júnior

Camafeus Romanos -Eugénio de Castro

Caminho do Sertão -Auta de Souza

Camões -Joaquim Nabuco

Camões -Joaquim Nabuco

Camões: discurso pronunciado a 10 de junho de 1880 por parte [sic] do Gabinete Português de Leitura -Joaquim Nabuco

Campanha Abolicionista -José Carlos do Patrocínio

Canção ao Mar (Mar Eterno) -Eugénio Tavares

Canção do boêmio -Antônio Frederico de Castro Alves

Canção do Exílio -Antônio Gonçalves Dias

Canção do exílio -Casimiro de Abreu

Cancioneiro -Fernando Pessoa

Cancioneiro -Fernando Pessoa

Canções e Elegias -Luís Vaz de Camões

Canções e Elegias -Luís Vaz de Camões

Cândido -Voltaire

Cantai -Auta de Souza

Cantata à morte de Inês de Castro -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Cantiga -Auta de Souza

Cantiga de Esponsais -Machado de Assis

Cantiga sua à Senhora Maria Coresma -Bernardim Ribeiro

Cantiga velha -Machado de Assis

Canto da Solidão -Bernardo Guimarães

Canto de amor -Casimiro de Abreu

Capítulo dos Chapéus -Machado de Assis

Capítulos de História Colonial (1500-1800) -João Capistrano de Abreu

Capítulos de História Colonial -João Capistrano de Abreu

Caramuru -José de Santa Rita Durão

Caramuru: poema épico do descobrimento da Bahia -José de Santa Rita Durão

Caráter -Ralph Waldo Emerson

Caravela: redescobrimentos. (Coleção literatura para todos; v.4) -Gabriel Bicalho

Carlota -Auta de Souza

Carne Frita -Gustavo Villas Boas Farias

Carolina -Casimiro de Abreu

Carolina -Casimiro de Abreu

Carrilhões -Murilo Araújo

Carrilhões -Murilo Araújo

Carta da Companhia -Pe. José de Anchieta

Carta de um Defunto Rico -Afonso Henriques de Lima Barreto

Cartas Chilenas -Tomáz Antônio Gonzaga

Cartas Chilenas -Tomáz Antônio Gonzaga

Cartas D’Amor – O Efêmero Feminino -José Maria Eça de Queirós

Cartas D’Amor -José Maria Eça de Queirós

Cartas de Inglaterra -José Maria Eça de Queirós

Cartas de Olinda e Alzira -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Cartas Familiares e Bilhetes de Paris -José Maria Eça de Queirós

Casa de Pensão -Aluísio Azevedo

Casa de Pensão -Aluísio Azevedo

Casa de pensão -Aluísio Azevedo

Casa Velha -Machado de Assis

Casa velha -Machado de Assis

Casa, não casa -Machado de Assis

Casada e viúva -Machado de Assis

Caso da Vara -Machado de Assis

Catálogo da Exposição Comemorativa do IV Centenário -Fundação Biblioteca Nacional

Catálogo da Exposição Cruz e Sousa, 100 anos de morte (1898-1998) -Fundação Biblioteca Nacional

Catálogo de Autores Brasileiros com a Obra em Domínio Público -Fundação Biblioteca Nacional

Catálogo de Publicações da Biblioteca Nacional -Fundação Biblioteca Nacional

Cavação -Artur Azevedo

Celeste -Auta de Souza

Cena íntima -Casimiro de Abreu

Certa Entidade em Busca de Outra -Qorpo Santo

Certa Entidade em Busca de Outra -Qorpo Santo

Cervantes, Dom Quixote e outras e-crônicas do nosso tempo -Salomão Rovedo

Céus e terras do Brasil -Visconde de Taunay

Chapada das Mulatas: postagens de um blogueiro -Jeferson Francisco Selbach

Chapéus de palha, panamás, plumas, cartolas -Sylvia Helena Telarolli de Almeida Leite

Charneca em flor -Florbela Espanca

Chegou-m’amiga recado -Dom Dinis

Chegou-m’ora aqui recado -Dom Dinis

Chico -Artur Azevedo

Chico Science: a rapsódia afrociberdélica -Moisés Neto

Chorando -Auta de Souza

Cícero -Plutarco

Cinco Minutos -José de Alencar

Cinco minutos -José de Alencar

Cinco minutos -José de Alencar

Cinco Mulheres -Machado de Assis

Ciúme -Auta de Souza

Clara -Casimiro de Abreu

Clara dos Anjos -Afonso Henriques de Lima Barreto

Clara dos Anjos -Afonso Henriques de Lima Barreto

Clara dos Anjos -Afonso Henriques de Lima Barreto

Clarisse -Auta de Souza

Clepsidra -Camilo Pessanha

Clepsidra -Camilo Pessanha

Cobras em compota. (Coleção literatura para todos; v.2) -Índigo

Coisas que Só Eu Sei -Camilo Castelo Branco

Coisas que Só Eu Sei -Camilo Castelo Branco

Coitada viv’, amigo, porque vos nom vejo -Dom Dinis

Coleção lusitânia -Coelho Netto

Comadre Morte -Adolfo Coelho

Comes e Bebes -Artur Azevedo

Como e por que sou Romancista -José de Alencar

Como me Deus aguisou que vivesse -Dom Dinis

Como o Brasil enfrenta a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes -Ministério das Relações Exteriores

Como o Diabo as Arma! -Artur Azevedo

Como quem num dia de verão abre a porta de casa -Alberto Caeiro

Como se fazia um Deputado -França Júnior

Como se fazia um Deputado -França Júnior

Como se inventaram os almanaques -Machado de Assis

Como um grande borrão de fogo sujo -Alberto Caeiro

Como uma criança antes de a ensinarem a ser grande -Alberto Caeiro

Com’ousará parecer ante mi -Dom Dinis

Confissões de uma Viúva -Machado de Assis

Confissões de uma Viúva Moça -Machado de Assis

Conjugo Vobis -Artur Azevedo

Consolo Supremo -Auta de Souza

Construção da figura religiosa no romance de cavalaria -Marcia Maria de Medeiros

Conto Alexandrino -Machado de Assis

Conto de Escola -Machado de Assis

Conto de Escola -Machado de Assis

Contos avulsos -Alcântara Machado

Contos de Lima Barreto -Afonso Henriques de Lima Barreto

Contos fantásticos -Theóphilo Braga

Contos Fluminenses -Machado de Assis

Contos Fluminenses -Machado de Assis

Contos Fora da Moda -Artur Azevedo

Contos Fora de Moda -Artur Azevedo

Contos Gauchescos -João Simões Lopes Neto

Contos -José Maria Eça de Queirós

Contos -José Maria Eça de Queirós

Contos para Velhos -Olavo Bilac

Contos para velhos -Olavo Bilac

Contos, cartas, frases e poemas -Djalma de Freitas Pinheiro

Contrastes -Auta de Souza

Contrastes e Confrontos -Euclides da Cunha

Contrastes e Confrontos -Euclides da Cunha

Contrastes e Confrontos -Euclides da Cunha

Conversa pra boi dormir: um pouco de castelo na minha lembrança -José Antônio Caliman

Conversão de um avaro -Machado de Assis

Convite a Marília -Manuel Maria de Barbosa du Bocage

Coração, Cabeça e Estômago -Camilo Castelo Branco

Cores -Auta de Souza

Correspondência de Machado de Assis -Machado de Assis

Correspondência -Emílio de Menezes

Coup D’Étrier -Antônio Frederico de Castro Alves

Covilheira velha, se vos fezesse -Afonso Eanes de Coton

Creio que irei morrer -Alberto Caeiro

Crepúsculo -Auta de Souza

Crianças -Auta de Souza

Crisálidas -Machado de Assis

Crisálidas -Machado de Assis

Crisálidas -Machado de Assis

Crisfal -Cristóvão Falcão

Crisfal -Cristóvão Falcão

Críticas Teatrais -Machado de Assis

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – a freira:ralo, roda e grade -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Cota -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Mariana, apelidada a rola -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – andanças de uma viola de cabaça -Gregório de Matos

Crônica do viver Baiano Seiscentista – a cidade e seus pícaros – Betica -Gregório de Matos

Crônica do viver Baiano Seiscentista – a cidade e seus pícaros – alguns passos discretos e tristes -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Antônia -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Letrados -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – briga, briga -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Pança farta e pé dormente -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Joana -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Custódia -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – a cidade e seus pícaros – Bárbora ou Babu -Gregório de Matos

Crônica do Viver Baiano Seiscentista – A Nossa Sé da Bahia -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – cidade e seus pícaros – Adãos de Massapê -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – cidade e seus pícaros – Ângela -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – cidade e seus pícaros – Brites -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – cidade e seus pícaros – Maria João -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – cidade e seus pícaros – opúsculo de Pedro Alz. da Neyva -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – cidade e seus pícaros – Teresa -Gregório de Matos

Crônica do Viver Baiano Seiscentista – O Burgo -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – os homens bons – a nossa sé da Bahia -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – os homens bons – espada e espadilha -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – os homens bons – juízes do Iguaraçu -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – os homens bons – pessoas beneméritas -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – os homens bons – pessoas muito principais -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista – os homens bons – santos unhates -Gregório de Matos

Crônica do Viver Baiano Seiscentista – Os Homens Bons -Gregório de Matos

Crônica do Viver Baiano Seiscentista – Os Homens Bons -Gregório de Matos

Crônica do viver baiano seiscentista -os homens bons – a musa praguejadora -Gregório de Matos

Crônicas -Afonso Henriques de Lima Barreto

Crônicas de Londres -José Maria Eça de Queirós

Culto Métrico -Cláudio Manuel da Costa (Glauceste Satúrnio)

Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas -Pe. André João Antonil

Curiosidades e Factos Notaveis do Ceará -J. G. Dias Sobreira

Curta história -Machado de Assis