17 07 2013
c8d7baea776660af938abedb8dd0a9b16e8f3862
Era ainda jovem demais para saber que a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas, e que graças a este artifício conseguimos suportar o passado.”
Gabriel García Márquez




31 01 2013

flh

“Mas ao contrário daquela vez não sentiu agora a comoção do amor e sim o abismo do desencanto.
Num instante teve a revelação completa da magnitude do próprio engano, e perguntou a si mesma, aterrada, como tinha podido incubar durante tanto tempo e com tanta ferocidade semelhante quimera no coração.”

O AMOR NOS TEMPOS DO CÓLERA, Gabriel García Márquez




Gabriel Garcia Marquez

3 08 2011

“Quem sabe Deus queira que você conheça muita gente errada antes que conheças a pessoa certa, para que quando afinal conheça esta pessoa saibas estar agradecido.”

Gabriel Garcia Marquez





Gabriel Garcia Marquez

20 06 2011

“Acabavam de celebrar as bodas de ouro matrimoniais, e não sabiam viver um instante sequer um sem o outro, ou sem pensar um no outro, e o sabiam cada vez menos à medida que recrudescia a velhice. Nem ele nem ela podiam dizer se essa servidão recíproca se fundava no amor ou na comodidade, mas nunca se haviam feito a pergunta com a mão no peito, porque ambos tinham sempre preferido ignorar a resposta!”

Gabriel Garcia Marquez, em “O Amor nos Tempos do Cólera”
_______________________________________________________

“Acabou pensando nele como jamais imaginara que se pudesse pensar em alguém, pressentindo-o onde não estava, desejando-o onde não podia estar, acordando de súbito com a sensação física de que ele a contemplava na escuridão enquanto ela dormia, de maneira que na tarde em que sentiu seus passos resolutos no tapete de folhas amarelas da pracinha custou a crer que não fosse outro embuste da sua fantasia”

Gabriel Garcia Marquez, em “O Amor nos Tempos do Cólera”
_______________________________________________________

“Ambos eram conscientes de ter tão poucas coisas em comum que nunca sentiam-se mais sozinhos que quando estavam juntos, mas nenhum dos dois havia se atrevido a magoar os encantos do hábito. Precisaram de uma comoção nacional para perceber, ao mesmo tempo, o quanto haviam se odiado, e com quanta ternura, durante tantos anos”

Gabriel Garcia Marquez, em “O Amor nos Tempos do Cólera”
_______________________________________________________

“Ele tinha consciência de que não a amava. Casara-se porque gostava da sua altivez, sua seriedade, sua força e também por um tico de vaidade, mas enquanto ela o beijava pela primeira vez teve a certeza de que não haveria nenhum obstáculo para inventar um bom amor. Não falaram a respeito nessa primeira noite em que falaram de tudo até o amanhecer, nem falariam nunca. Mas de um modo geral, nenhum dos dois se equivocou”

Gabriel Garcia Marquez, em “O Amor nos Tempos do Cólera”
_______________________________________________________

– “No curso dos anos ambos chegaram por caminhos diferentes à conclusão sábia de que não era possível morar juntos de outro modo, nem se amarem de outro modo: nada neste mundo era mais difícil do que o amor”

– “E estava convencido na solidão de sua alma de haver amado em silêncio muito mais do que alguém jamais amara neste mundo”

– “Hoje, ao vê-lo, descobri que só nos unia uma ilusão”

– “É feio e triste – disse a Fermina Daza – mas é todo amor”

– “Aproveite agora que você é jovem para sofrer o mais que puder – lhe dizia – que estas coisas não duram toda a vida”

– “Aparecia como aquilo que era: uma armadilha da felicidade que o entediava e atraía ao mesmo tempo, mas da qual era impossível escapar”

– “Nem ele nem ela tinham vida para nada que não fosse pensar no outro, para sonhar com o outro, para esperar as cartas com a mesma ansiedade com que as respondiam”

Gabriel Garcia Marquez, em “O Amor nos Tempos do Cólera”
_______________________________________________________